Youtuber condenado a 15 meses de cadeia por vídeo a gozar com sem-abrigo

Kanghua Ren ofereceu Oreos recheadas com pasta de dentes a um homem que vivia nas ruas de Barcelona. Além da pena, suspensa por falta de antecedentes criminais, fica proibido de utilizar o Youtube por cinco anos e foi condenado a indemnizar a vítima em 20 mil euros

Respondendo ao "desafio" lançado por um dos subscritores do seu canal do Youtube, ReSet - aliás: Kanghua Ren - desafiou substituir o recheio de um pacote de bolachas Oreo com pasta de dentes e oferecê-la a um sem-abrigo nas ruas. Agora, quatro anos e meio depois da brincadeira de mau gosto, ocorrida em dezembro de 2014, veio a sentença de um tribunal de Barcelona: quinze meses de prisão, com a pena suspensa por igual período pelo facto de não ter antecedentes criminais, e a obrigatoriedade de pagar à vítima uma indemnização de 20 mil euros.

O Julgado Penal nº 9 de Barcelona deu como provado que o youtuber cometeu um crime contra a integridade moral, agravado pelo facto de ter obtido benefícios económicos do mesmo. De acordo com a sentença, citada pelo diário El Mundo , ficou provado que Ren era um "influencer", com 1,1 milhões de subscritores e mais de 125 milhões de visualizações das suas publicações, e que fazia "um modo de vida" da sua página, graças aos "ganhos significativos obtidos através da publicidade inserida no mesmo [canal] pela empresa", cujos valores aumentam em função do número de visualizações.

Os "desafios" eram um dos principais atrativos da página, com o tribunal a considerar que neste desafio em particular se aproveitou da "grande vulnerabilidade" da vítima, resultante da sua "extrema pobreza e exclusão social".

Na sentença são ainda referidos outros atos vexatórios posteriores cometidos pelo mesmo youtuber, como a tentativa, em 2016, de oferecer uma sanduíche com excrementos de gato a duas pessoas.

Além da multa e da sentença, ReSet ficou impedido de usar o Youtube pelo prazo de cinco anos. No entanto, constatou o DN, a página em causa continuava ativa nesta sexta-feira à noite, apesar de não registar publicações recentes.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.