Abusos sexuais. Sobe para 244 o número de vítimas da Igreja chilena

A partir desta segunda-feira, a Conferência Episcopal do Chile reúne-se para analisar as políticas de reparação e prevenção adotadas em agosto sobre abusos sexuais

As investigações sobre casos de abuso sexual na Igreja do Chile levaram à abertura de 139 processos que indiciam a existência de 245 vítimas, estando em investigação um total de 190 pessoas desde maio.

O número foi avançado à agência EFE por fontes das autoridades chilenas.

Em comparação com os números divulgados pela Procuradoria Geral da República na quinta-feira, que continha dados atualizados a partir de 24 de outubro, foram abertos 15 novos casos, 12 novos nomes foram incluídos e 22 novas vítimas foram adicionadas.

O Ministério Público do Chile anunciou este domingo que subiu de 178 para 222 o número de alegadas vítimas de abusos sexuais praticados por elementos do clero ao longo de anos.

Esta atualização dos números relaciona-se com o aumento gradual das denúncias recebidas pelos diferentes promotores do Chile sobre a participação de pessoas relacionadas ao clero em alegados casos de abuso sexual, poder, confiança, pedofilia ou ocultação.

Em dois meses, aumentaram quase todos os números de pessoas investigadas: agora há oito bispos, 105 sacerdotes, 5 diáconos, 29 religiosos (não sacerdotes), 10 leigos e 21 pessoas não identificadas.

No início de agosto, num gesto de transparência da Igreja chilena, a Conferência Episcopal do Chile (CECh) publicou uma lista com os nomes de bispos, sacerdotes e diáconos condenados, pela Justiça Civil ou Canónica por abuso sexual de menores.

Essa informação também foi atualizada a 31 de outubro de outubro havendo agora registo de um total de 47 sentenças (mais 3) que envolvem dois bispos, 42 sacerdotes e 2 diáconos.

Esses novos dados foram divulgados a poucos dias do início da Assembleia Plenária da CECh, que se reunirá em Santiago a partir desta segunda-feira.

Durante cinco dias, os bispos e administradores apostólicos das diferentes dioceses do Chile irão analisar decisões e compromissos adotados em agosto sobre abusos sexuais.

O Papa Francisco aceitou a renúncia de sete bispos chilenos, depois de em maio último os 34 bispos do país terem apresentado a sua renúncia ao pontífice, reconhecendo que cometeram "sérios erros e omissões".

Exclusivos