Venezuela suspende voos da TAP por 90 dias. "Medida gravosa", reage transportadora

A comunidade portuguesa foi apanhada de surpresa pela decisão do governo de Nicolás Maduro. É "uma medida gravosa que prejudica os nossos passageiros", diz fonte oficial da TAP ao DN. A Venezuela acusa a companhia aérea de permitir o transporte de explosivos e de ter ocultado a identidade de Juan Guaidó num voo de Lisboa para Caracas.

A Venezuela decidiu suspender por 90 dias as operações da TAP. A decisão foi revelada esta segunda-feira pelo ministro dos Transportes venezuelano. "Devido às graves irregularidades cometidas no voo TP173 e em conformidade com os regulamentos nacionais da aviação civil, as operações da companhia aérea TAP no nosso território são suspensas por 90 dias, como medida de precaução para proteger a segurança da Venezuela", anunciou Hipólito Abreu na rede social Twitter.

O governo de Nicolás Maduro acusa a TAP de ter permitido que um familiar do líder da oposição, Juan Guaidó, pudesse transportar explosivos durante a viagem.

Juan Márquez, o tio de Juan Guaidó, foi preso na semana passada depois de o acompanhar na viagem de regresso à Venezuela feita num voo comercial da TAP.

Segundo o governo venezuelano, Marquez transportou "lanternas de bolso táticas" que escondiam "substâncias químicas explosivas no compartimento da bateria".

O líder da oposição venezuelana regressou ao país após um périplo internacional, que passou pela Europa e América do Norte, tendo desafiado a proibição decretada pelo governo de Maduro de viajar para o exterior. Quando chegou a Caracas, Guaidó acabou por ser agredido por apoiantes de Maduro.

Além de acusar a TAP de ter permitido o transporte de explosivos, o governo de Nicolás Maduro diz ainda que a companhia aérea escondeu o nome de Guaidó da sua lista de passageiros, registando-o com uma identidade falsa. Venezuela considera, por isso, que a TAP violou os "padrões internacionais".

TAP não teve "sequer" a "hipótese de exercer o contraditório"

"A TAP não compreende as razões desta suspensão da operação para a Venezuela por 90 dias, uma vez que cumpre todos os requisitos legais e de segurança exigidos pelas autoridades de ambos os países", refere ao DN fonte oficial da TAP.

"Trata-se de uma medida gravosa que prejudica os nossos passageiros, não tendo a companhia sequer tido hipótese de exercer o contraditório", acrescenta a mesma fonte.

Horas antes do anúncio da suspensão de voos da TAP, o governo da Venezuela já tinha ameaçado com uma bateria de sanções contra a companhia aérea portuguesa.

"Vamos avaliar, de acordo com o que aconteceu, três possíveis níveis de ação: uma série de multas que se costumam aplicar a estes casos, bem como possíveis sanções e suspensões da companhia aérea TAP", disse Hipólito Abreu, durante uma conferência de imprensa, em Caracas.

O ministro dos Transportes explicou que o Instituto Nacional de Aviação Civil da Venezuela está a tratar do processo, tendo enviado um relatório com supostas irregularidades para a Organização Internacional de Aviação Civil (OIAC).

O presidente da Assembleia Constituinte da Venezuela, Diosdado Cabello, já tinha afirmado, na passada semana, que a TAP não estava inocente neste caso.

"Não são nenhuns santos", disse Cabelo, revelando imagens dos alegados explosivos transportados pelo tio de Juan Guaidó, durante uma emissão da estação televisiva estatal.

Comunidade portuguesa surpreendida. "É uma decisão desagradável"

A decisão do Governo venezuelano de suspender, por 90 dias, os voos da TAP foi recebida com surpresa e alguma incredulidade por portugueses radicados na Venezuela, que admitem que a comunidade portuguesa será a mais afetada.

"É uma decisão desagradável, que afeta sobretudo a comunidade portuguesa", disse à Lusa Fernando Campos, conselheiro das comunidades portuguesas, que não se mostrou surpreendido, mas explicou que "não está de acordo" com a decisão, porque não lhe encontra fundamento.

Vários empresários, questionados pela Lusa sobre a suspensão dos voos, reagiram com "incredulidade", chegando mesmo alguns a pensar tratar-se "de um rumor das redes sociais".

No entanto, um empresário, à semelhança de outros portugueses, admitiu que "se os voos forem suspensos" vai complicar-se a situação para quem viaja para a Europa, onde há poucas linhas em comparação com as que operavam, há alguns anos, para Caracas.

Um agente de viagens explicou que "a comunidade portuguesa será a mais afetada", recomendando esperar para ver como "decorrem as negociações entre ambos os países".

"Há relações diplomáticas entre Portugal e a Venezuela, Portugal tem uma palavra a dizer sobre isto e até mesmo a Comunidade Europeia", frisou.

A TAP voa para Caracas duas vezes por semana, à terça e quarta-feira, e diversos agentes de viagem confirmaram à Lusa que, de momento, o voo previsto para terça-feira continua a aparecer no sistema.

Acusações traduzem-se no "desprezo da ditadura por Portugal", diz Guaidó

Após as acusações do governo de Maduro, o presidente do parlamento venezuelano garantiu que usou o seu nome na viagem que fez de Lisboa a Caracas. "O meu nome é Juan Gerardo António Guaidó Márquez. Esse é o meu nome. Tenho vários nomes, Juan Gerardo António Guaidó Márquez. Viajei com o meu nome. Se a ditadura não gosta dos meus nomes isso é outra coisa", afirmou, em conferência de imprensa.

Para o líder da oposição da Venezuela, as acusações do governo de Maduro de que teria embarcado com um nome falso traduzem-se no "desprezo da ditadura pela verdade, pelos mecanismos, pela Europa, por Portugal, pelas companhias aéreas comerciais, e pela IATA [Associação Internacional de Transporte Aéreo]". "É o desprezo absoluto inclusive pelo raciocínio", considerou Guaidó.

Acusações de Venezuela a Portugal são "manobras de diversão", diz Santos Silva

Em Portugal, o Ministério da Administração Interna ordenou, na sexta-feira, a abertura de um inquérito "face às declarações das autoridades venezuelanas sobre uma falha de segurança no voo (em direção a Caracas) procedente de Lisboa".

"Neste momento, quando eu determino um inquérito é porque não há nenhuma indicação de qualquer indício, até ao momento, de qualquer fundamento para o que foi dito", afirmou o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, no final da semana passada.

Já esta segunda-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse que as acusações da Venezuela a Portugal são "manobras de diversão" para desviar as atenções das agressões a Guaidó.

Em conferência de imprensa em Bruxelas, após uma reunião de chefes de diplomacia da União Europeia, Augusto Santos Silva reiterou que não faz qualquer sentido as autoridades venezuelanas acusarem Portugal de irregularidades no voo da TAP que transportou o líder opositor Guaidó de Lisboa até Caracas.

Para o ministro português, o que há a reter como "facto mais relevante" é que o líder do Parlamento venezuelano foi "selvaticamente agredido" à chegada.

"Não nos devemos deixar apanhar nas armadilhas comunicacionais. O facto mais relevante que ocorreu em Caracas [...] foi que um cidadão que regressava por via aérea ao seu país, e que, além de cidadão, é presidente na Assembleia Nacional desse país, e além do mais reconhecido por mais de 50 países em todo o mundo como aquele que tem condições para conduzir um processo eleitoral livre e justo, esse cidadão foi escoltado à chegada por forças policiais locais, como aliás era sua obrigação, que contudo o escoltaram de tal forma que ele acabou por ser selvaticamente agredido".

"Portanto, não confundamos a coisa grave que se passou, que foi essa, e depois as tentativas de criar, digamos, manobras de diversão, através de acusações tão sem sentido como a acusação ao Governo português de ser cúmplice numa operação ilegal", completou.

Santos Silva reiterou que "a única coisa que o Governo faz no que diz respeito à Venezuela é participar, como muitos outros, nos esforços internacionais para que haja uma solução pacífica para a crise política que se vive na Venezuela".

"Essa é a única coisa que fazemos e não temos mais nenhum interesse", vincou.

Com Lusa

Atualizado às 19:45

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG