Maduro assegura que país "jamais será excluído" do Mercosul

"É como se nos cortassem do mapa e nos expulsassem da América latina. Somos Mercosul de alma, coração e vida"

O Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, assegurou hoje que o seu país "jamais" será excluído do Mercosul, numa entrevista dada pouco antes de o bloco anunciar a suspensão do país por tempo indefinido.

"A Venezuela jamais será excluída do Mercosul. É como se nos cortassem do mapa e nos expulsassem da América latina. Somos Mercosul de alma, coração e vida. Umas oligarquias golpistas como a do Brasil, ou outras miseráveis como a que governa a Argentina, podem tentá-lo mil vezes, mas sempre estaremos aqui", assegurou.

Em declarações à argentina Rádio Rebelde, o chefe de Estado denunciou a "perseguição ideológica" do Mercado Comum do Sul face ao seu Governo e apelou à conciliação.

"Não é tempo de expulsões, de divisões (...), é tempo de nos unirmos, de construir um bloco económico, comercial, de desenvolvimento", afirmou, antes de apontar que o facto de governos como o de Maurico Macri (Argentina) e Michel Temer (Brasil) o acusarem de desrespeitar a ordem democrática significa "uma medalha de honra".

Maduro emitiu estas declarações pouco antes de dos chefes da diplomacia dos países fundadores do Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai) terem decidido aplicar a "cláusula democrática", que amplia a suspensão da Venezuela por período indefinido deste bloco.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros do Brasil, da Argentina, do Uruguai e do Paraguai decidiram suspender politicamente a Venezuela do Mercosul "por rutura da ordem democrática", indicou em comunicado o mercado comum sul-americano.

A Venezuela já tinha sido colocada à margem do mercado comum sul-americano desde dezembro, por motivos comerciai, mas a invocação da cláusula democrática tem uma maior repercussão política. Não implica uma suspensão do Mercosul, mas o seu impacto é superior às sanções previamente adotadas.

A Venezuela atravessa uma grave crise política, com manifestações quase diárias contra o Presidente Maduro em que atos de violência provocaram, em quatro meses, 120 mortos.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG