Portugueses e lusodescendentes esperam mais tensão na Venezuela

A autoproclamação do líder do parlamento da Venezuela, Juan Guaidó, como presidente interino do país, surpreendeu esta quarta-feira portugueses e lusodescendentes que marcharam em Caracas e que acreditam que o país vai atravessar "mais momentos de tensão".

"Já tinha ouvido dizer que ele [Juan Guaidó] prestaria juramento como presidente do país, mas tendo em conta a atual situação nunca pensei que se autoproclamaria hoje mesmo e na concentração", disse um lusodescendente à agência Lusa.

Juan Ferreira, de 35 anos, disse acreditar que a Venezuela precisa de uma mudança urgente em matéria política, económica e social, mas insiste: "Não esperava isto, agora haverá mais momentos de tensão".

Por outro lado, Lourdes Vasconcelos, 60 anos, doméstica, também participou na marcha e em que testemunhou o juramento de Juan Guaidó.

"Fiquei confundida. Não sei se é um passo para encontrar uma solução ou mais um elemento de preocupação", disse, sublinhando desconhecer se "uma medição de forças" é "benéfico para o país e para todos".

Nesse sentido explicou que "tem várias pessoas de família que emigraram do país", uma decisão à qual tem resistido porque, explicou, "tem mais de 50 anos na Venezuela" e todos os seus haveres estão no país.

"Hoje, tenho dúvidas, estou cansada e precisamos de paz. Mas prevejo que vão haver ainda mais motivos de preocupação", antecipou.

Para outro lusodescendente, José Freitas, engenheiro informático, de 34 anos, o que a oposição fez é uma "posição de força que teria que acontecer em qualquer momento".

"Há muita gente que esperava que se autoproclamasse e se não o fizesse o apoio da população viria a pique. Esse era o momento", disse.

Juan Guaidó autoproclamou-se hoje presidente interino da Venezuela e prometeu realizar eleições.

O seu ato foi já reconhecido pelos Estados Unidos e Canadá e países latino-americanos como Brasil, Colômbia, Peru, Chile, Equador, Paraguai e Costa Rica.

O México, pelo contrário, continua a reconheceu Nicolás Maduro como presidente da Venezuela.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.