Polícia fala em violência doméstica na morte de Valentina Guebuza

"O principal indiciado, que é o esposo, foi detido", afirmou o porta-voz do Comando-Geral da polícia moçambicana

A Polícia da República de Moçambique (PRM) confirmou hoje que o principal suspeito do homicídio de Valentina Guebuza, filha do ex-Presidente Moçambicano, é o marido, Zófimo Muiuane, num quadro de violência doméstica.

"A primeira indicação que temos é de um caso autêntico de violência doméstica, que acabou desembocando, infelizmente na morte da cidadã Valentina Guebuza", disse o porta-voz do Comando-Geral da República de Moçambique, Inácio Dina, à emissora pública Rádio Moçambique.

Segundo Inácio Dina, Valentina Guebuza foi baleada em casa na noite de quarta-feira, em Maputo, com recurso a uma pistola e foi levada ainda com vida para o Instituto do Coração de Maputo (ICOR), mas não resistiu aos ferimentos.

"Imediatamente, o principal indiciado, que é o esposo, foi detido e neste momento está em curso todo o processo que vai culminar com a devida responsabilização, se for concluído o envolvimento deste cidadão", afirmou o porta-voz do Comando-Geral da Polícia da República.

Filha do ex-chefe de Estado Armando Guebuza, que liderou o Governo moçambicano entre 2005 e 2015, Valentina da Luz Guebuza, de 36 anos, era uma das mais destacadas empresárias do país.

Em dezembro de 2013, a revista Forbes colocou-a entre as vinte jovens africanas mais poderosas de África, à frente da 'holding' familiar Focus 21 Management & Development, com interesses em vários setores, na banca, telecomunicações, pescas, transportes, mineração e imobiliário.

A empresária moçambicana casou-se a 26 de julho de 2014 com Zófimo Muiuane, chefe do departamento de marketing da operadora de telecomunicações Mcel, numa cerimónia religiosa na Igreja Presbiteriana de Chamanculo, nos arredores de Maputo, perante centenas de convidados.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG