Vacina para todos e reforma da instituição dominam assembleia da OMS

Os países pedem mudanças na organização da OMS enquanto partilham a ideia de que uma vacina deve ficar acessível e ser um "bem público global". EUA criticam exclusão de Taiwan.

A Organização Mundial da Saúde iniciou esta segunda-feira a sua primeira assembleia virtual, com os países a pedir uma resposta conjunta à pandemia de covid-19 e que qualquer vacina seja um "bem público global".

Mas os países também estão a pedir uma reforma do órgão de saúde da ONU para garantir que esteja melhor preparado para lidar com futuras pandemias.

A Assembleia Mundial da Saúde (AMS) foi reduzida das habituais três semanas para apenas dois dias. Concentra-se quase exclusivamente na covid-19, que em questão de meses matou mais de 315.000 em todo o mundo e infetou mais de 4,7 milhões.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, abriu o evento, dizendo que várias nações tinham ignorado as recomendações da OMS.

"Diferentes países seguiram estratégias diferentes, às vezes contraditórias, e todos estamos a pagar um preço muito alto", alertou Guterres, num vídeo.

"A covid-19 deve ser um alerta. É hora de acabar com a arrogância", disse o português. "Ou passamos por esta pandemia juntos ou falhamos".

O presidente chinês, Xi Jinping, manifestou apoio a uma abordagem conjunta, prometendo no seu discurso partilhar qualquer vacina que o seu país desenvolva.

"Depois de a investigação e desenvolvimento da vacina chinesa contra o novo coronavírus for concluída e colocada em uso, será um bem público global", disse Xi, cujo país atualmente possui cinco vacinas em potencial em ensaios clínicos.

Definir crise de saúde

O presidente da França, Emmanuel Macron, disse que qualquer vacina deve "ser um bem público global", enquanto a chanceler alemão Angela Merkel insistiu que "deve estar disponível e acessível a todos".

Os Estados membros esperam que a AMS consiga formar uma resposta conjunta, incluindo compromissos sobre o acesso equitativo a possíveis tratamentos e vacinas.

"Reunimos como nações do mundo para enfrentar a crise de saúde definitiva de nosso tempo", disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Mas a ocasião de chegar a um acordo sobre medidas globais para enfrentar a crise pode ser ameaçada pela deterioração constante das relações entre as duas maiores economias do mundo durante a pandemia.

O presidente dos EUA, Donald Trump, na semana passada ameaçou cortar os laços com a China, onde o surto surgiu no final do ano passado, devido ao seu papel na disseminação da covid-19, e repetidamente fez alegações não comprovadas de que o vírus se originou em um laboratório chinês.

Trump também suspendeu o financiamento para a OMS devido às acusações que inicialmente subestimavam a gravidade do surto e estava se curvando a Pequim.

Avaliação o mais cedo possível

Apesar das crescentes tensões, os países esperam adotar uma resolução por consenso.

Apresentada pela União Europeia, a resolução pede uma "avaliação imparcial, independente e abrangente" da resposta internacional à crise do coronavírus.

Tedros recebeu com satisfação a resolução, dizendo que "iniciará uma avaliação independente o mais cedo possível".

Mas o etíope ressalvou que não há necessidade de mudar dramaticamente a OMS, apontando que a necessidade atual é "fortalecer, implementar e financiar os sistemas e organizações que possui, incluindo a OMS".

Uma fonte da UE saudou o rascunho como "ambicioso" e apontou que, se for aprovado por consenso como esperado, será a primeira vez que um fórum global alcançaria apoio unânime a um texto sobre a resposta à covid-19.

A fonte disse que os países não se esquivaram de assuntos espinhosos, incluindo um apelo a mais reformas da OMS depois de determinar que as suas capacidades "mostraram-se insuficientes para evitar uma crise dessa magnitude".

A resolução também pede que a OMS trabalhe em estreita colaboração com outras agências e países internacionais para identificar a fonte animal do vírus e descobrir como saltou para os seres humanos.

Embora os diplomatas tenham concordado em princípio com o projeto de resolução, os observadores expressaram preocupação de que, na atual atmosfera politizada, alguns países ainda possam optar por quebrar o consenso na próxima semana.

Decisão de Taiwan sem acordo

Os Estados Unidos e a Europa estão em desacordo com o futuro acesso a vacinas, enquanto Washington também acusou a China de tentar roubar a pesquisa de imunização nos EUA.

Washington também está a levar vários países a exigir que a OMS ponha fim à sua exclusão de Taiwan - considerada por Pequim como parte do seu território - e permita que Taiwan aceda às suas assembleias como observadora.

No entanto, a OMS diz que tal medida exigiria uma resolução dos Estados membros, que em 1972 decidiram que Pequim era o único representante legítimo da China.

Apesar dos pedidos de vários países para resolver o estatuto de Taiwan, há receio de que colocar a questão espinhosa a votação durante a reunião pudesse atrapalhar.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG