Um palestiniano morto em Gaza por tiros de soldados israelitas

Desde sexta-feira, 18 palestinianos foram mortos na fronteira entre a faixa de Gaza e Israel, zona onde decorrem protestos promovidos pelo movimento radical Hamas

Um palestiniano foi morto hoje a tiro por soldados israelitas na fronteira entre a faixa de Gaza e Israel, o 18.º desde sexta-feira, indicou o Ministério da Saúde local.

Ahmed Arafa, 25 anos, foi morto em confrontos na zona centro do enclave, no mesmo dia em que o ministro da Defesa israelita, Avigdor Lieberman, disse que os militares não vão alterar a sua resposta dura aos protestos na faixa de Gaza.

Mais de 1.400 palestinianos ficaram feridos, 757 com tiros de balas reais, segundo o Ministério da Saúde em Gaza

Desde sexta-feira, o primeiro dia de protestos junto à fronteira convocados pelo movimento radical Hamas e que devem durar mais de seis semanas, 18 palestinianos foram mortos por fogo israelita.

Além dos 18 mortos, mais de 1.400 palestinianos ficaram feridos, 757 com tiros de balas reais, segundo o Ministério da Saúde em Gaza.

Em caso de perigo mortal (contra os soldados na fronteira), temos autorização para disparar. Não permitimos a infiltração em massa em Israel, nem que se danifique a barreira e muito menos que se alcancem as comunidades

Alguns dias antes do início dos protestos, o chefe do Estado-Maior israelita, Gadi Eisenkot, tinha advertido que os soldados disparariam se os palestinianos se aproximassem de modo ameaçador da barreira de segurança que separa a faixa Gaza do território israelita.

"Em caso de perigo mortal (contra os soldados na fronteira), temos autorização para disparar. Não permitimos a infiltração em massa em Israel, nem que se danifique a barreira e muito menos que se alcancem as comunidades" israelitas perto da fronteira com Gaza, disse Eisenkot, adiantando: "A ordem é usar a força amplamente".

Hoje, Liberman insistiu que os palestinianos que se aproximarem da fronteira com Israel podem em risco as suas vidas.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, e a alta-representante da diplomacia europeia, Federica Mogherini, já exigiram um "inquérito independente" à utilização por Israel de balas reais, um pedido rapidamente rejeitado pelo Estado hebreu

A organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch disse hoje que Israel não apresentou provas de que o arremesso de pedras ou outras formas de violência tenham ameaçado seriamente os soldados e acusou Lieberman e outros altos responsáveis israelitas de apelarem ilegitimamente ao uso de fogo real contra os manifestantes palestinianos.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, e a alta-representante da diplomacia europeia, Federica Mogherini, já exigiram um "inquérito independente" à utilização por Israel de balas reais, um pedido rapidamente rejeitado pelo Estado hebreu.

Os protestos, designados "marcha do retorno", visam exigir o "direito ao retorno" dos palestinianos, dos quais centenas de milhares foram expulsos das suas terras durante a guerra que se seguiu à criação de Israel, em 1948.

O fim dos protestos está marcado para 15 de maio, o aniversário da criação de Israel, designado pelos palestinianos como 'Nakba' (catástrofe).

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.