UE e Mercosul fecham acordo de comércio 20 anos depois

Empresas europeias passam a ter acesso a um mercado de 260 milhões de consumidores

A União Europeia e o Mercosul fecharam esta sexta-feira um acordo de comércio após 20 anos de negociações, avançam media como a agência noticiosa internacional Reuters e o jornal espanhol El País.

Os dois blocos enviam assim uma mensagem em defesa do comércio livre numa era de regresso ao protecionismo por parte de grandes potências como os Estados Unidos e a China.

As empresas europeias passam, assim, a ter acesso a um mercado de 260 milhões de habitantes. O Mercosul é composto por Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai. Em 2018, o Mercosul exportou 42,6 milhões de euros para a UE, enquanto que as exportações da UE para o Mercosul se saldaram em 45 milhões de euros.

Do lado da UE, beneficiariam os setores da indústria automóvel, da maquinaria, da química e da farmacêutica. Do lado do Mercosul, o setor agrícola e de pecuária, pois são esses sobretudo os produtos que exporta para a UE. Mas é aí, precisamente, que reside o problema. Muitos países, como a França, Irlanda, Bélgica ou Polónia escreveram uma carta à Comissão Europeia a alertar para os riscos do acordo comercial no "setor agropecuário".

Em sentido contrário, o acordo é apoiado por países como Espanha, Portugal, Alemanha, Holanda, Suécia, República Checa e Lituânia. Também estes escreveram uma carta à Comissão. "Estamos perante uma encruzilhada. A UE não pode ceder aos argumentos populistas e protecionistas em termos de política comercial", diz a missiva, citada pelo El País.

O acordo, fechado numa reunião de alto nível em Bruxelas, precisa ainda do aval dos governos. O presidente da França, Emmanuela Macron, chegou mesmo a ameaçar não aprovar o acordo se o Brasil do presidente Jair Bolsonaro não ratificar o Acordo de Paris sobre o clima. Além disso, mais de 340 organizações sociais, sete dezenas de eurodeputados e as principais organizações agrícolas europeias dirigiram-se igualmente à Comissão para que ela travasse o acordo.

Exclusivos