Tusk pede a líder catalão que não tome decisão que frustre diálogo

O presidente do Conselho Europeu fez apelo poucas horas antes de Carles Puigdemont comparecer no parlamento catalão, onde poderá poderá declarar formal e unilateral a independência da Catalunha.

"Peço-lhe que respeite, nas suas intenções, a ordem constitucional e não anuncie uma decisão que tornaria o diálogo impossível. A diversidade não deve, e não precisa, levar a conflitos, cujas consequências seriam obviamente más para os catalães, para Espanha e para toda a Europa". Foi com estas palavras que Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, fez um último apelo a Carles Puigdemont, que hoje poderá declarar formal e unilateral a independência da Catalunha.

O líder daquela região vai ao parlamento às 18:00 locais (17: 00 em Lisboa), em Barcelona, para uma sessão que servirá, oficialmente, para analisar os resultados e efeitos do referendo catalão, mas que poderá resultar na declaração de independência.

Ainda que não conste da ordem de trabalhos, Puigdemont poderá declarar unilateralmente a independência, tal como consta nos prazos inscritos na lei do referendo, considerada ilegal pela justiça espanhola tal como o referendo.

Cerca de três horas antes desta sessão, em Bruxelas, o presidente do Conselho Europeu pediu a Carles Puigdemont que não declarasse unilateralmente a independência.

Além disso, lembrou que há dias pediu a Mariano Rajoy, chefe de Governo de Espanha que procurasse uma solução sem o recurso à força.

No Twitter, Donald Tusk repetiu o apelo: "Vamos olhar sempre para o que nos une. Unidade é diversidade", escreveu.

Exclusivos