Trump "xenófobo" manda quatro congressistas voltarem para países de origem

Comentários do presidente norte-americano no Twitter contra quatro mulheres democratas. "Porque é que não voltam e ajudam os países corruptos e infestados de crimes de onde vieram", escreveu Trump. Elas já reagiram.

O presidente dos EUA, Donald Trump, atacou este domingo vários congressistas democratas, a quem pediu para voltarem para os seus países de origem, que disse serem "corruptos e lugares infestados de crimes".

É "muito interessante ver congressistas democratas, progressistas, que originalmente vêm de países cujos governos são uma catástrofe total e completa, os piores, os mais corruptos e ineptos do mundo (se é que funcionaram como governos), dizerem em voz alta e agressivamente para o povo dos EUA, a maior e mais poderosa nação do mundo, como o nosso governo deve ser gerido", escreveu Trump na rede social Twitter.

"Porque é que não voltam e ajudam os países corruptos e infestados de crimes de onde vieram. Depois voltam e mostram como é que fizeram", escreveu o presidente.

"Estes lugares precisam da vossa ajuda desesperadamente, não podem sair suficientemente rápido. Tenho a certeza que a Nancy Pelosi ficaria muito feliz em arranjar rapidamente viagens grátis", escreveu o presidente.

O comentário do presidente referia-se a um grupo de congressistas, nomeadamente Alexandria Ocasio-Cortez, Ilhan Omar e Rashida Tlaib e Ayanna Pressley, que lideraram as divergências com a líder dos democratas naquela câmara, Nancy Pelosi.

Ocasio-Cortez, Tlaib e Pressley nasceram nos EUA, mas têm origem porto-riquenha e palestiniana, enquanto Omar nasceu em Mogadíscio e chegou a território norte-americano como refugiada.

Respostas a Trump

Pelosi criticou os comentários de Trump, apelidando-os de xenófobos e que pretendem dividir os norte-americanos.

"Quando Trump diz a quatro congressistas para voltarem para os seus países, reafirma que o seu plano de 'Tornar a America Grande Outra Vez' sempre foi de tornar a América branca outra vez. A nossa diversidade é a nossa força e a nossa união é o nosso poder", escreveu Pelosi numa mensagem, acrescentando noutra rejeitar os comentários "xenófobos" de Trump.

Alexandria Ocasio-Cortez respondeu em quatro mensagens ao presidente, lembrando numa delas que o seu país de origem são os EUA. "Você está irritado porque não consegue imaginar uma América que nos inclui. Você confia numa América assustada para poder pilhar. Não aceita uma nação que considera a saúde como um direito ou a educação como uma prioridade número 1, especialmente onde estamos a lutar por ela", escreveu.

"Além de não aceitar uma América que nos elegeu, não é capaz de aceitar que também não temos medo de si", acrescentou.

Também Ilhan Omar respondeu no Twitter, lembrando que enquanto congressistas, o único país pelo qual juraram é pelos EUA. "E é por isso que estamos a lutar para o proteger do pior, mais corrupto e inepto presidente que alguma vez vimos", escreveu.

E Rashida Tlaib respondeu ao presidente para que continue a falar, que isso só a faz trabalhar mais. "Tenho orgulho das minhas raízes palestinianas e um bully fraco como você nunca irá ganhar".

"É com isto que o racismo se parece. Nós somos aquilo a que a democracia se parece. E não vamos a lugar nenhum. Exceto de volta a Washington DC para lutar pelas famílias que você marginaliza e vilifica todos os dias", escreveu Ayanna Pressley.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.