Trump sai em defesa de Kavanaugh após novas alegações de cariz sexual

Democratas pedem o 'impeachment' do juiz do Supremo Tribunal, alegando que mentiu ao Senado. Presidente norte-americano diz que ele devia começar a processar as pessoas e que as mentiras que se contam sobre ele são "inacreditáveis".

O presidente norte-americano, Donald Trump, saiu este domingo em defesa de Brett Kavanaugh, o juiz do Supremo Tribunal dos EUA, depois de novas alegações de cariz sexual do tempo em que estudava na Universidade de Yale terem sido divulgadas pelo jornal The New York Times. Democratas pedem o seu impeachment, alegando que mentiu ao Senado durante as audiências de confirmação do cargo.

"Brett Kavanaugh devia começar a processar as pessoas por difamação ou o Departamento de Justiça deve ir em seu socorro. As mentiras que estão a ser contadas sobre ele são inacreditáveis. Acusações falsas sem recriminação. Quando é que isto vai acabar? Estão a tentar influenciar as suas opiniões. Não se pode deixar isso acontecer!", escreveu Trump no Twitter.

Antes já tinha apontado o dedo aos media. "Agora os democratas radicais de esquerda e os seus parceiros, os LameStream Media [expressão pejorativa para se referir aos media], estão atrás do Brett Kavanaugh outra vez, dizendo em voz alta a sua palavra favorita, impeachment.Ele é um homem inocente que foi tratado horrivelmente. Tantas mentiras sobre ele. Querem assustá-lo para o tornarem liberal", escrevera noutra mensagem, mais cedo.

As últimas denúncias sobre Kavanaugh foram publicadas pelo The New York Times e duas das suas jornalistas, Robin Pobrebin e Kate Kelly, que têm um livro novo, intitulado "The Education of Brett Kavanaugh: An Investigation" (A Educação de Brett Kavanaugh: Uma Investigação, numa tradução à letra).

Em causa a denúncia de uma estudante de Yale, Deborah Ramirez, que contou que numa festa nos anos 1980, o atual juiz Kavanaugh, embriagado, "puxou as calças para baixo e empurrou o pénis contra ela, levando-a a afastá-lo e, inadvertidamente, tocar-lhe". A denúncia já tinha surgido durante a audiência de confirmação de Kavanaugh, no Senado, mas ficou para segundo plano diante das acusações de Christine Blasey, que alegou que ele a tentou violar durante uma festa no secundário.

"Durante o seu testemunho no Senado, Kavanaugh disse que se tal incidente que Ramirez descreveu tivesse ocorrido, teria sido 'o falatório no campus'. A nossa investigação sugere que foi", escrevem as jornalistas, que dizem ter descoberto várias testemunhas que o comprovam, incluindo um ex-companheiro de universidade que terá notificado o FBI e os senadores do facto de ter visto amigos empurrarem o pénis de Kavanaugh para as mãos de uma estudante durante uma festa, quando ele era caloiro, mas que o FBI não terá investigado o caso.

Kavanaugh nega todas as acusações. Na audiência de confirmação, em outubro, passou com 50 votos a favor e 48 contra, mesmo depois de os senadores ouvirem as denúncias de Christine Blasey.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.