Trump sai em defesa de Kavanaugh após novas alegações de cariz sexual

Democratas pedem o 'impeachment' do juiz do Supremo Tribunal, alegando que mentiu ao Senado. Presidente norte-americano diz que ele devia começar a processar as pessoas e que as mentiras que se contam sobre ele são "inacreditáveis".

O presidente norte-americano, Donald Trump, saiu este domingo em defesa de Brett Kavanaugh, o juiz do Supremo Tribunal dos EUA, depois de novas alegações de cariz sexual do tempo em que estudava na Universidade de Yale terem sido divulgadas pelo jornal The New York Times. Democratas pedem o seu impeachment, alegando que mentiu ao Senado durante as audiências de confirmação do cargo.

"Brett Kavanaugh devia começar a processar as pessoas por difamação ou o Departamento de Justiça deve ir em seu socorro. As mentiras que estão a ser contadas sobre ele são inacreditáveis. Acusações falsas sem recriminação. Quando é que isto vai acabar? Estão a tentar influenciar as suas opiniões. Não se pode deixar isso acontecer!", escreveu Trump no Twitter.

Antes já tinha apontado o dedo aos media. "Agora os democratas radicais de esquerda e os seus parceiros, os LameStream Media [expressão pejorativa para se referir aos media], estão atrás do Brett Kavanaugh outra vez, dizendo em voz alta a sua palavra favorita, impeachment.Ele é um homem inocente que foi tratado horrivelmente. Tantas mentiras sobre ele. Querem assustá-lo para o tornarem liberal", escrevera noutra mensagem, mais cedo.

As últimas denúncias sobre Kavanaugh foram publicadas pelo The New York Times e duas das suas jornalistas, Robin Pobrebin e Kate Kelly, que têm um livro novo, intitulado "The Education of Brett Kavanaugh: An Investigation" (A Educação de Brett Kavanaugh: Uma Investigação, numa tradução à letra).

Em causa a denúncia de uma estudante de Yale, Deborah Ramirez, que contou que numa festa nos anos 1980, o atual juiz Kavanaugh, embriagado, "puxou as calças para baixo e empurrou o pénis contra ela, levando-a a afastá-lo e, inadvertidamente, tocar-lhe". A denúncia já tinha surgido durante a audiência de confirmação de Kavanaugh, no Senado, mas ficou para segundo plano diante das acusações de Christine Blasey, que alegou que ele a tentou violar durante uma festa no secundário.

"Durante o seu testemunho no Senado, Kavanaugh disse que se tal incidente que Ramirez descreveu tivesse ocorrido, teria sido 'o falatório no campus'. A nossa investigação sugere que foi", escrevem as jornalistas, que dizem ter descoberto várias testemunhas que o comprovam, incluindo um ex-companheiro de universidade que terá notificado o FBI e os senadores do facto de ter visto amigos empurrarem o pénis de Kavanaugh para as mãos de uma estudante durante uma festa, quando ele era caloiro, mas que o FBI não terá investigado o caso.

Kavanaugh nega todas as acusações. Na audiência de confirmação, em outubro, passou com 50 votos a favor e 48 contra, mesmo depois de os senadores ouvirem as denúncias de Christine Blasey.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.