Trump atrasa plano de vacinação antecipada na Casa Branca

Presidente cessante dos Estados Unidos pediu um "ajuste" nos planos e retardou vacinação na Casa Branca

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reverteu um plano para que os funcionários da Casa Branca recebessem a vacina contra o coronavírus nos próximos dias.

Originalmente, os principais elementos da administração Trump estariam entre as primeiras pessoas a receber o imunizante da Pfizer-BioNTech.

No entanto, o presidente cessante pediu um "ajuste" nos planos.

"As pessoas que trabalham na Casa Branca devem receber a vacina um pouco mais tarde, a menos que seja especificamente necessário", afirmou no Twitter. "Eu pedi que esse ajuste seja feito", acrescentou.

No mesmo tweet, Donald Trump disse que ainda tinha previsto o momento em que se vacinará, mas que o irá fazer "no momento apropriado".

Os Estados Unidos iniciam esta segunda-feira uma vasta campanha de vacinação contra a covid-19 no país, onde o número de mortes causadas pela doença se aproxima dos 300 mil óbitos.

No domingo, as autoridades norte-americanas indicaram que o número total de mortos, desde o início da pandemia, atingiu já os 299.093, enquanto o número total de casos é superior a 16 milhões.

Neste fim de semana, a vacina dos laboratórios Pfizer-BioNTech começou já a ser expedida, em caixas refrigeradas a menos de 70 graus centígrados, a partir da fábrica da Pfizer no estado do Michigan para hospitais e outros locais.

A Pfizer indicou que 20 aviões vão transportar estas vacinas todos os dias. "As vacinas foram expedidas e estão a caminho", congratulou-se no domingo o Presidente norte-americano, Donald Trump, numa mensagem divulgada na rede social Twitter.

O governador do Kentucky, Andy Beshear, afirmou que o estado, no leste do país, vai ser o primeiro a vacinar os residentes, menos de 72 horas depois da vacina Pfizer-BioNTech ter recebido a "luz verde" das autoridades sanitárias norte-americanas.

Cerca de três milhões de doses vão ser disponibilizadas até quarta-feira, para vacinar perto de 20 milhões de norte-americanos antes do final do ano e 100 milhões antes do final de março no país, que registou 1,1 milhões de novos casos confirmados nos últimos cinco dias.

Na sexta-feira, os Estados Unidos foram o 6.º país a aprovar a vacina Pfizer-BioNTech, depois do Reino Unido, Canadá, Bahrain, Arábia Saudita e México. A agência do medicamento europeia deverá apresentar uma recomendação até final de dezembro.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1 605 583 mortos resultantes de mais de 71,6 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 5559 pessoas dos 348b744 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG