Trump rejeita relatório da sua Casa Branca sobre alterações climáticas. "Não acredito nisso"

Estudo foi realizado pela própria administração norte-americana e aponta para perdas de milhares de milhões de dólares na economia se não forem tomadas medidas

O presidente Donald Trump rejeitou esta segunda-feira um estudo produzido pela sua própria administração, envolvendo 13 agências federais e mais de 300 cientistas do clima, alertando sobre o impacto potencialmente catastrófico nos Estados Unidos da América das alterações climáticas.

"Não acredito", afirmou Trump aos jornalistas, citado pela CNN, acrescentando que leu "alguma parte" do relatório.

O estudo constata que a mudança climática custará aos EUA centenas de biliões de dólares e prejudicará a saúde humana.

Desde que tomou posse a administração Trump prossegue uma agenda de manter os combustíveis fósseis. Quase todos os cientistas do mundo concordam que as alterações climáticas são induzidas pelo homem e advertem que as flutuações naturais de temperatura estão a ser exacerbadas pela atividade humana.

O presidente dos EUA disse que "leu alguns" pontos do relatório apresentado na sexta-feira. Mas acrescentou que os EUA não tomarão medidas para reduzir as emissões, a menos que o mesmo seja feito por outros países.

"Teremos que ter China, Japão, toda a Ásia e todos os outros países. Sabem que [o relatório] se dirige ao nosso país. Agora estamos caminho no mais limpo que alguma vez tivemos e isso é muito importante para mim. Mas se estamos limpos, e todos os outros lugares da terra estão sujos, isso não é tão bom", afirmou Trump.

A ex-candidata presidencial democrata Hillary Clinton já reagiu e acusou o governo Trump de tentar esconder o relatório.

Relatório alerta para perda económica

O relatório é a Quarta Avaliação Nacional do Clima e elenca os possíveis impactos das alterações climáticas em todos os setores da sociedade americana. "Com o crescimento contínuo das emissões a taxas históricas, projeta-se que as perdas anuais em alguns setores económicos atinjam centenas de biliões de dólares até ao final do século - mais do que o produto interno bruto (PIB) atual de muitos estados dos EUA", aponta o relatório.

"Sem uma mitigação global substancial e sustentada, e esforços de adaptação regional, espera-se que as alterações climáticas causem perdas crescentes à infraestrutura e propriedade americanas e afete a taxa de crescimento económico ao longo deste século."

O relatório observa que os efeitos das alterações climáticas já se sentem em todo o país, incluindo eventos climáticos extremos mais frequentes e intensos. Mas diz que as projeções de futuras catástrofes podem mudar se a sociedade trabalhar para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e "se adaptar às mudanças que ocorrerão".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.