Trump pressionado para fazer declaração sobre ataque xenófobo em Portland

Presidente dos EUA não falou sobre os dois homens que morreram tentando impedir que duas jovens muçulmanas fossem atacadas

Dois homens morreram na passada sexta-feira quando intervieram para tentar travar um ataque xenófobo num comboio. Taliesin Myrddin Namkai-Meche, de 23 anos, e Rick Best, de 53, foram esfaqueados quando tentaram impedir Jeremy Joseph Christian, de 35 anos, de intimidar duas jovens muçulmanas. Christian foi detido pouco tempo depois do ataque. Um terceiro homem, Micah David-Cole Fletcher, de 21 anos, ficou ferido por também ter tentado parar o agressor, mas não corre risco de vida.

As duas vítimas mortais foram entretanto homenageadas: os dois homens foram considerados heróis pelo mayor de Portland e pelo FBI, mas o presidente Trump manteve-se em silêncio, ainda que só no domingo tenha partilhado 10 'tweets' sobre os mais variados assuntos, desde o sistema de saúde às notícias falsas.

Dan Rather, jornalista veterano, foi o primeiro a pedir nas redes sociais uma declaração de Trump, solicitando-lhe que reconheça os "corajosos americanos que morreram às mãos de alguém a quem, quando todos os factos forem conhecidos, poderemos ter o direito de chamar terrorista".

Rather escreveu um longo texto no Facebook e, dirigindo-se a Trump, admitiu que este ataque não encaixa "na narrativa" que o presidente difundiu durante a campanha eleitoral e que levou para a Casa Branca: os dois homens "não foram mortos por um imigrante indocumentado ou um terrorista radical islâmico". Por isso mesmo, frisou o jornalista, este "extremismo de um tipo diferente" daquele que atrai a atenção de Trump deverá ser endereçado. "Isso não o torna menos sério ou mortífero", escreveu.

Rather terminou o texto fazendo notar que a cidade de Portland, onde aconteceu o ataque, poderá não estar no radar do presidente porque é "uma cidade liberal", mas ainda é uma cidade americana. "E você é o presidente", concluiu.

Muitos utilizadores das redes sociais fizeram eco da ausência de declarações de Trump a propósito do ataque. "Trump escreveu hoje no Twitter duas vezes para celebrar um candidato que agrediu um jornalista mas nada disse sobre os dois heróis assassinados em Portland".

Houve mesmo quem escrevesse: "Chamem-me louco, mas se um muçulmano tivesse matado dois cristãos brancos em Portland suspeito que o nosso presidente teria dito alguma coisa".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG