Trump já fez 20 mil alegações falsas como presidente, contabiliza o Washington Post

Jornal tem uma coluna de fact check a tratar as declarações do presidente norte-americano. Até 9 de julho, Donald Trump terá feito 20 mil declarações falsas ou incorretas sobre os mais variados temas.

Donald Trump fez 20 mil alegações falsas ou incorretas enquanto ocupa o cargo de Presidente dos EUA, de acordo com um relatório elaborado pelo jornal The Washington Post , que identificou um "tsunami de inverdades" com origem na Sala Oval da Casa Branca.

Na sua coluna de Fact Checker [Verificação de Factos], o jornal concluiu que Trump atingiu este marco em 9 de julho, dia em que efetuou 62 dessas declarações que podem ser consideradas enganosas.

Cerca de metade delas surgiu numa entrevista com o apresentador da Fox News, Sean Hannity, entre as quais se contam a alegação de ter "um tremendo apoio" na comunidade afro-americana e a acusação de que Barack Obama e Joe Biden espiaram a sua campanha em 2016.

O Washington Post criou o seu banco de dados durante os primeiros 100 dias de Trump no cargo. Desde então, a equipa revê todas as declarações que o presidente faz em conferências de imprensa e comícios, em aparições na TV e nas redes sociais.

Naqueles primeiros 100 dias, os jornalistas contaram 492 alegações falsas ou enganosas, a uma taxa de cerca de cinco por dia. Desde então, os investigadores observam : "O tsunami de inverdades continua cada vez maior."

"A noção de que Trump excederia as 20 mil alegações antes de terminar o mandato parecia ridícula quando o Fact Checker iniciou o projeto", escreveu o editor Glenn Kessler.

Nos últimos 14 meses, à medida que se desenrolaram os eventos em torno do relatório Mueller , o impeachment, a pandemia de coronavírus e o assassinato de George Floyd pela polícia, Trump teve a média de 23 alegações falsas ou incorretas por dia.

A coluna do Post observa que Trump expressou quase 1.200 mentiras e alegações falsas sobre a pandemia, muitas das quais giram em torno da capacidade de teste dos EUA. Trump costuma dizer que os EUA têm o melhor registo em testes.

A equipa do jornal descobriu que a mentira mais prolífica de Trump é a sua afirmação de que a economia dos EUA está melhor agora do que nunca.

Cientistas políticos geralmente concordam que uma economia forte é o fator mais importante para um presidente em busca da reeleição. Trump afirmou pela primeira vez que a economia é a melhor de sempre em junho de 2018 e, segundo o Post, "rapidamente tornou-se uma das suas favoritas".

Mas Trump "foi forçado a adaptar a mensagem aos tempos económicos difíceis, e isso tornou esta alegação ainda mais fantástica. Enquanto costumava dizer que é a melhor economia da história dos EUA, agora recorda frequentemente que alcançou 'a melhor economia da história do mundo".

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG