Trump "estava mais interessado nas investigações a Biden" do que na Ucrânia

Funcionário da embaixada norte-americana revelou conversa entre embaixador na UE e presidente dos EUA.

No primeiro dia de audiências abertas no inquérito de destituição a Donald Trump, o embaixador interino em Kiev, William Taylor, revelou uma conversa que um membro da sua equipa lhe contou na sexta-feira passada e que demonstra o interesse do presidente na Ucrânia.

"Na presença do meu pessoal no restaurante, o embaixador [Gordon] Sondland ligou ao presidente Trump e contou-lhe sobre os seus encontros em Kiev. Esse membro da minha equipa conseguia ouvir o presidente Trump ao telefone a perguntar ao embaixador Sondland sobre as investigações", contou Taylor sobre um almoço que aconteceu no dia 26 de julho, no dia seguinte ao telefonema entre o presidente norte-americano e o novo líder ucraniano, Volodymyr Zelensky.

"No final do telefonema, o funcionário da minha equipa perguntou ao embaixador Sondland o que o presidente Trump pensava sobre a Ucrânia, ao que este respondeu que o presidente estava mais interessado nas investigações a Biden", continuou.

Fazendo jus à sua carreira de diplomata, Taylor declarou que a sua função não era a de escolher lados nem de decidir se o que estava em causa é suficiente para um presidente ser destituído. "Isso é o vosso trabalho." No entanto, o encarregado de negócios em Kiev reiterou a sua surpresa de fazer depender a ajuda militar e um encontro em Washington entre Trump e Zelensky em troca de uma investigação ao filho de Joe Biden, uma política levada a cabo pelo embaixador norte-americano na União Europeia Gordon Sondland -- um dos principais doadores da campanha de Trump -- e do enviado especial à Ucrânia Kurt Volker, concertada com a Casa Branca.

"É errado", concordou com a pergunta do representante democrata da Califórnia Eric Swalwell, sobre essa política. Antes, o democrata Daniel Goldman perguntara-lhe: "Em décadas de serviço militar e diplomático alguma vez testemunhou uma ajuda militar ficar dependente de uma investigação pedida pelo presidente dos Estados Unidos?", ao que respondeu "Não".

Já os republicanos tentaram desacreditar a importância dos inquiridos, Taylor e o vice-secretário adjunto George Kent, por estes nunca terem falado diretamente com o presidente. Tentaram retirar o foco da ação presidencial e insistiram em perguntas sobre a suposta interferência da Ucrânia nas eleições norte-americanas e no papel de Joe Biden, enquanto vice-presidente, nas relações com aquele país.

Os republicanos insistem também em ouvir o denunciante, uma hipótese que os democratas rejeitam.

A audiência prossegue na sexta-feira com a antiga embaixadora em Kiev, Marie Yovanovitch. Na audiência privada, a diplomata afirmou ter sido afastada do cargo por Donald Trump, na primavera, vítima de uma "campanha concertada" na qual foi atacada pelo advogado pessoal do presidente, Rudy Giuliani.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG