Trump diz que quem aborta deve ter "algum tipo de castigo"

Favorito ao lugar de candidato republicano à Casa Branca defendeu a ilegalização do aborto e a punição da mulher. Depois, tentou recuar, mas já não se livrou das críticas

O polémico milionário Donald Trump, que disputa a nomeação dos republicanos para ser candidato à Presidência dos Estados Unidos, defendeu hoje a imposição de "algum tipo de castigo" para mulheres que abortem.

Donald Trump, que se declarou a favor da ilegalização do aborto, salvo em algumas exceções, falava durante uma entrevista, que só vai ser divulgada ao final do dia nos Estados Unidos.

Depois de várias tentativas para não responder e quando questionado diretamente, Donald Trump disse: a "resposta é que deve haver algum tipo de castigo" para a mulher.

Donald Trump assegurou que ainda não definiu o "tipo de castigo" e reconheceu que se trata de uma questão "muito complicada".

Questionado sobre como se avançaria com a ilegalização da interrupção voluntária da gravidez, Donald Trump disse que provavelmente as pessoas voltariam a fazer o aborto em "lugares ilegais".

"Mas tens de o proibir", defendeu Trump, que se declarou "pró-vida", apesar de ter apoiado anteriormente o direito ao aborto.

Recuo e críticas

Após estas declarações, o candidato republicano recuou. Em comunicado no qual afirma querer esclarecer as suas afirmações anteriores, Donald Trump reitera ser "pró-vida", mas responsabiliza quem realiza tecnicamente o aborto e chama a mulher grávida de "vítima".

"Se o Congresso passasse legislação tornando o aborto ilegal e os tribunais federais admitissem essa legislação, ou se fosse permitido a algum estado abolir o aborto, o médico ou outra pessoa que realizasse esse ato ilegal sobre uma mulher seria legalmente responsabilizável, não a mulher. Neste caso, a mulher seria a vítima, tal como a vida no seu útero", lê-se na nota difundida pela comunicação social americana.

No comunicado, Trump recusa ainda ter mudado de opinião relativamente ao assunto: "A minha posição não mudou - tal como [o ex-Presidente] Ronald Reagan, sou pró-vida, com exceções".

Do lado democrata, não tardaram as reações às primeiras palavras de Trump, Hillary Clinton, no Twitter, chamou escreveu: "Quando se pensava que não podia ser pior. Horrível e revelador".

O rival da ex-primeira dama na corrida democrática às presidenciais, Bernie Sanders, foi mais lacónico: "Eis o vosso principal concorrente republicano, senhoras e senhores. Uma vergonha."

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?