Trump de novo acusado de incitar à violência contra Clinton

Candidato republicano à Casa Branca falava sobre o direito à posse de armas

O candidato à presidência dos EUA Donald Trump foi de novo acusado de incitar à violência contra Hillary Clinton por ter dito que os seus guarda-costas deviam andar desarmados para ela ver o que lhe aconteceria.

Num comício em Miami, Florida, na sexta-feira, Trump alertou de novo que Clinton quer "destruir a segunda emenda" da Constituição norte-americana, que dá o direito à posse e porte de armas no país.

"Penso que os seus guarda-costas deveriam largar todas as armas. (...) Ela não quer armas. Levem-nas [as armas] e veremos o que é que lhe acontece a ela. Levem-lhes as armas, ok? Isso será muito perigoso", afirmou.

A declaração de Trump, candidato à Casa Branca pelo Partido Republicano nas eleições de novembro, desencadearam de imediato reações do lado do Partido Democrata.

"Donald Trump, o candidato republicano à presidência, tem tendência a incitar as pessoas à violência", considerou o diretor da campanha de Clinton, Robby Mook.

"Quer o faça para provocar reações durante um comício, de passagem ou mesmo por brincadeira, é inaceitável em quem aspira ser comandante-chefe" das forças armadas, acrescentou.

Esta é a segunda vez que a campanha de Clinton considera que Trump incitou à violência contra a candidata, depois de em agosto o milionário ter sugerido que os defensores do porte de armas poderiam ter uma palavra a dizer caso a ex-secretária de Estado abolisse a segunda emenda constitucional.

Trump garantiu depois que apenas quis dizer aos defensores do porte de armas que devem ir votar.

No mesmo discurso em Miami na sexta-feira, Trump prometeu, por outro lado, que recuará na normalização das relações com Cuba se chegar à Casa Branca e caso não haja, entretanto, "liberdade religiosa e política" na ilha caribenha.

Segundo afirmou, estará ao lado dos cubanos "na sua luta contra a opressão comunista".

"Todas as concessões que [o Presidente dos EUA] Barack Obama fez ao regime de Castro foram feitas através de ordens executivas, o que significa que o próximo Presidente pode revertê-las, e é isso que vou fazer, a menos que o regime dos Castro oiça as nossas reivindicações", afirmou.

Trump disse que "essas reivindicações incluirão liberdade religiosa e política para o povo de Cuba".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG