Trump dá banquete de 'fast food' a equipa de futebol americano

Sem funcionários na Casa Branca para cozinharem, presidente norte-americano encomenda hambúrgueres, batatas fritas e pizza para equipa universitária. Esquecendo a política de alimentação saudável lançada pelo governo há meses.

O que para uns é óbvio para outros não é. Servir comida fast food a universitários desportistas não é para muitos propriamente uma opção de alimentação saudável, mas para outros é uma boa ideia. Para alguns, o presidente Trump foi mais uma vez terra-a-terra, genuíno, e rápido a resolver o facto de não ter funcionários que cozinhassem na Casa Branca ao encomendar e a pagar do próprio bolso um verdadeiro banquete de fast food para receber a equipa de futebol da Clemson University. Para outros, Trump esqueceu-se da estratégia de alimentação saudável que o seu governo lançou há poucos meses. No final, a culpa é dos democratas, disse Trump.

Seja como for, o certo é que os corpulentos jovens entraram na segunda-feira na Casa Branca, depois de terem ganho o campeonato nacional de futebol universitário, e esfregaram as mãos ao depararem com mais de 300 refeições individuais. Uma verdadeira Mcfeast de hambúrgueres, pizzas e refrigerantes. Ficaram escandalizados? Não. Adoraram, como mostram as fotos publicadas pela comunicação social e pelas redes sociais.

Os estudantes estavam de folga e aproveitaram. Espelho meu, espelho meu, há algo mais saudável do que isto? Devem ter-se questionado. Nas mesas, e segundo noticiam os órgãos de comunicação social, estavam mil hambúrgueres, pilhas de asinhas de frango, molhos picantes, mostarda, ketchup, batatas fritas, fatias de pizza, etc. Para atenuar havia, saladas e carnes frias.

Mas alguém na equipa de Trump se lembrou da estratégia para uma alimentação saudável lançada pelo governo há poucos meses? Parece que não, ou então o presidente também ignorou qualquer alerta que tenha havido, deixando-se levar pela sua paixão conhecida pela fast food. Ou melhor, pela comida fabricada, que tem muito menos riscos de envenenamento, como já chegou a afirmar.

O gostinho de Trump por comer hambúrgueres na cama é conhecido. Então, porque não dar esse gostinho também aos atletas?

Na edição de hoje, a cronista do The Guardian deixa um comentário: "Se Trump fosse um político de esquerda, e culturalmente falando, provavelmente seria elogiado por ser tão terra-a-terra. Se Barack Obama tivesse distribuído pizzas, teria recebido aprovação no Twitter. Mas, tratando-se de Trump, a autenticidade não durou muito."

O que parece é que a política de saúde da Casa Branca para 2019 não é boa para a saúde.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG