Trump assegura que "nunca" mencionou Israel junto dos responsáveis russos

"Nunca mencionei isso no decurso da nossa conversação", disse o Presidente dos EUA

O Presidente dos EUA, Donald Trump, assegurou hoje, em declarações à imprensa em Jerusalém e ao lado primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu, que nunca citou Israel nos encontros com responsáveis russos onde partilhou informações sensíveis.

"Nunca mencionei a palavra ou o nome de Israel. Nunca mencionei isso no decurso da nossa conversação", disse Trump referindo-se à polémica sobre a troca com responsáveis russos de informações, provavelmente transmitidas aos norte-americanos pelo seu grande aliado israelita.

O chefe do Governo hebraico confortou o Presidente norte-americano, ao referir por sua vez que a cooperação entre os dois países "no domínio das informações é fabulosa" e "nunca foi melhor".

Segundo o Washington Post e outros 'media', Trump divulgou a responsáveis russos, recebidos na Casa Branca no início de maio, informações altamente classificadas provenientes de um aliado dos Estados Unidos sobre um projeto da organização 'jihadista' Estado Islâmico (EI) de armadilhar computadores portáteis suscetíveis de explodirem a bordo de aviões comerciais.

As informações teriam sido fornecidas sem a autorização do país em causa. Um responsável da administração norte-americana confirmou de seguida à agência noticiosa France Presse (AFP) que esse aliado era Israel, também apontado pela eficácia dos seus serviços de espionagem.

Estas revelações ensombraram os dias que antecederam a visita, em curso, de Trump a Israel, onde chegou hoje proveniente da Arábia Saudita.

Após aterrar em Telavive, o chefe da Casa Branca dirigiu-se para Jerusalém, onde manteve um primeiro encontro com o seu homólogo israelita Reuven Rivlin.

Trump tornou-se ainda no primeiro Presidente em exercício dos EUA a recolher-se junto ao Muro das Lamentações, um local de elevado simbolismo para o judaísmo, e que diversos organismos internacionais consideram território palestiniano em Jerusalém.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG