Trovoada discute na próxima semana situação em São Tomé com Costa

Primeiro-ministro cessante, atualmente em Lisboa, garante que não fugiu de São Tomé e Príncipe e afirma: "Não podemos estar reféns das redes sociais, das fake news e da especulação"

O atual primeiro-ministro são-tomense, Patrice Trovoada, deverá reunir-se na próxima semana com o seu homólogo português, António Costa, para o informar sobre a situação do país, garantindo que regressará depois a São Tomé e Príncipe.

Patrice Trovoada, cujo partido, Ação Democrática Independente (ADI), venceu as eleições legislativas de 07 de outubro com maioria simples (25 em 55 deputados da Assembleia Nacional), tinha previsto para esta sexta-feira um encontro com o primeiro-ministro português, o qual foi adiado para o final da próxima semana porque António Costa participava em Bruxelas na cimeira Europa-Ásia.

Em entrevista à agência Lusa, em Lisboa, o primeiro-ministro são-tomense disse que pretende "informar as pessoas da situação em São Tomé e Príncipe".

"Como dirigente do país e como alguém que consagrou muitos anos à causa de São Tomé e Príncipe, [vou] tentar explicar aos nossos amigos e parceiros que tudo faremos para que o país regresse a uma situação de maior tranquilidade, que é aquilo que todos aqueles que gostam de São Tomé e Príncipe esperam que aconteça o mais rapidamente possível", afirmou.

Além do encontro com o chefe do governo português, Trovoada irá reunir-se também "com outras personalidades amigas, quer a nível político quer do setor privado".

Questionado se vai reunir-se com a secretária-executiva da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), a também são-tomense Maria do Carmo Silveira, o governante disse que não.

Além da deslocação a Portugal, Patrice Trovoada vai nos próximos dias viajar para o Médio Oriente e outros países europeus, "na qualidade de vice-presidente da Internacional da Democracia do Centro", para informar os seus pares sobre a situação do país, após as eleições legislativas, autárquicas e regional do Príncipe, realizadas a 7 de outubro.

Em Portugal, onde vivem três dos seus filhos, Patrice Trovoada terá também "uma agenda privada".

"Depois regressarei a São Tomé e Príncipe", garantiu, negando que tenha fugido do país, como foi divulgado na imprensa e nas redes sociais são-tomenses. "As pessoas especulam muito. Não podemos estar reféns das redes sociais, das 'fake news' e da especulação", referiu.

Questionado por que motivo saiu do país quando ainda decorria o apuramento dos votos pelo Tribunal Constitucional, que anunciou hoje o resultado definitivo das legislativas, Patrice Trovoada respondeu: "Não traria absolutamente nada a minha presença em São Tomé e Príncipe".

"É preciso primeiro colocar a pergunta se é ou não é indispensável o primeiro-ministro estar presente quando o Tribunal Constitucional está a fazer o seu trabalho. Se o primeiro-ministro está presente, vão dizer que está a influenciar o Tribunal Constitucional. O primeiro-ministro não está presente, o primeiro-ministro fugiu", comentou.

O Tribunal Constitucional são-tomense proclamou hoje os resultados oficiais das eleições de 7 de outubro, confirmando os 25 assentos para a ADI, 23 para o MLSTP-PSD, cinco para a coligação PCD-UDD-MDFM e dois para Movimento de Cidadãos Independentes.

*Jornalista da agência Lusa

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG