Theresa May vai pedir união mas lançar um "brexit duro"

Primeira-ministra britânica, Theresa May, discursa amanhã e deverá apresentar as grandes linhas orientadoras para a saída do Reino Unido da União Europeia

O Reino Unido está preparado para a saída do mercado único, da união aduaneira europeia e do Tribunal Europeu de Justiça para poder garantir o controlo da imigração. Resumindo, um "brexit duro". Segundo os media britânicos, será isso que a primeira-ministra Theresa May vai dizer amanhã, num discurso em que se espera que apresente as grandes linhas orientadores para a saída do Reino Unido da União Europeia. Ao mesmo tempo, apelará à união dos partidários e dos críticos do brexit, pedindo para que deixem para trás as suas diferenças e "os insultos".

May quer acionar o artigo 50.º do Tratado de Lisboa, que lança oficialmente os dois anos de negociações para a saída da União Europeia, até ao final de março. Contudo, o calendário pode complicar-se caso o Supremo Tribunal decida que precisa do voto dos deputados antes de o poder fazer (uma decisão é esperada até ao final do mês). A primeira-ministra tem sido pressionada para revelar que tipo de acordo quer, com os media britânicos a revelar que irá levantar o véu sobre isso já amanhã.

Contudo, Downing Street disse à Reuters que tudo não passa de "especulação", recusando adiantar se May falará sobre imigração ou o mercado único. Segundo o The Sunday Telegraph, que cita uma fonte governamental, "os cidadãos saberão que quando [May] disse que o brexit significava brexit, era a sério". Questionado sobre se o Reino Unido poderia tornar-se um paraíso fiscal, o ministro da Economia, Philip Hammond, admitiu ao jornal alemão Welt am Sonntag que o país poderia mudar de modelo económico e fiscal para continuar competitivo se não obtiver acesso ao mercado único europeu.

Os extratos do discurso de May divulgados ontem focam-se na necessidade de fomentar a unidade com "objetivos comuns", para criar consenso após meses turbulentos. "Uma das razões porque a democracia no Reino Unidos foi um êxito durante anos é pela fortaleza da nossa identidade como nação, pelo respeito que mostramos como cidadãos, a importância que conferimos às nossas instituições implica que quando há uma votação, todos respeitamos o resultado."

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG