Testes rápidos chineses comprados por Espanha não são eficazes, denunciam laboratórios

O nível de sensibilidade dos testes é de 30% e não superior a 80% como alega o fabricante, pelo que laboratórios espanhóis defendem que não devem ser usados. China explica que empresa em causa não tem licença oficial para vender os seus produtos.

As análises feitas por vários laboratórios de microbiologia de hospitais espanhóis aos testes rápidos ao coronavírus comprados por Espanha à China mostram que estes são menos sensíveis a detetar a infeção do que o anunciado pelo fabricante, de acordo com documentos a que o El País teve acesso. Os laboratórios defendem por isso que não devem ser usados. A China avisa que a empresa em causa não tem licença oficial para vender os seus produtos.

Em causa estão os testes fabricados pela empresa chinesa Bioeasy: o nível de sensibilidade deveria ser superior a 80% mas, segundo as análises feitas em Espanha, é de apenas 30%. "Não detetam os casos positivos como era de esperar", segundo a fonte do jornal espanhol.

Os testes que detetam o coronavírus são testes moleculares que utilizam a metodologia PCR(polymerase chain reaction - ou reação em cadeia da polimerase). Trata-se de uma metodologia que permite identificar se a sequência genética do vírus que se pretende despistar (neste caso o SARS-CoV-2) está ou não presente na amostra recolhida. Os testes, que requerem equipamento específico, demoram cerca de quatro horas a fazer.

Os testes rápidos, pelo contrário, demoram 10 a 15 minutos e funcionam quase como um teste de gravidez. A amostra recolhida, também da zona nasofaringiana com uma zaragatoa, é diluída e colocada num cartucho com um reagente, aparecendo linhas numa tira a indicar se o caso é positivo, negativo ou inconclusivo.

A ideia era os testes rápidos serem utilizados de forma maciça em profissionais de saúde, infetados e grupos ou locais de risco, como são os lares de terceira idade. Os testes que dessem positivo seriam dados como oficiais, dispensando a prova PCR, enquanto os casos inconclusivos ou negativos poderiam seguir para o teste mais demorado. Mas, uma vez que os testes rápidos não têm o nível de sensibilidade previsto, o número de testes PCR que teriam que ser feitos seria muito elevado, pelo que os laboratórios não recomendam que sejam usados.

O governo espanhol, segundo o El País, comprou 340 mil testes rápidos, tendo encomendado mais 5,5 milhões à China. Não se sabe contudo se são fabricados pela mesma empresa.

O Ministério da Saúde espanhol confirmou ao jornal espanholque os testes rápidos tinham chumbado à análise do Instituto de Saúde Carlos III, que detetou "uma sensibilidade que não corresponde ao estabelecido na ficha técnica". As autoridades espanholas dizem que é um lote específico, distribuído na Comunidade de Madrid (a mais atingida em Espanha) e que já foi dada ordem para se retirar. Além disso, foi dada ordem ao fabricante para o substituir, acrescentando que todos os testes comprados pelo governo espanhol foram homologados para a utilização na Europa.

Espanha registou nas últimas 24 horas mais 655 mortes por causa do covid-19, num total de 4089 óbitos desde o início da pandemia no país. O número de infetados ascende a 56 188.

Alerta da embaixada chinesa

Através do Twitter, a embaixada da China em Espanha já respondeu à notícia sobre os testes rápidos da Bioeasy, dizendo que esta empresa não tem licença oficial para a venda dos seus produtos médicos e que não fazia parte da lista de empresas certificadas que foi fornecida ao governo espanhol.

A embaixada diz que as doações feitas pelo governo chinês e outras empresas não incluem produtos da Bioeasy, que a compra de novos materiais anunciada pelo governo espanhol ainda está em curso e estes não saíram ainda da China e a empresa não faz parte da lista entregue às autoridades espanholas.

Além disso, a Bioeasy "ainda não recebeu a licença oficial da Administração Nacional de Produtos Médicos da China para vender os seus produtos".

(Notícia atualizada às 12.00 com a resposta da embaixada chinesa em Espanha)

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG