Testes de ADN negam teoria de que 81 bebés tinham sido roubados

Análise a restos mortais, pedida pelas famílias confirma que os bebés morreram de facto à nascença, não tendo sido roubados como estas acreditavam

A análise ao ADN dos restos de bebés declarados mortos à nascença, ordenada pelas autoridades espanholas na sequência das denúncias de um alegado esquema de roubo em massa de recém-nascidos, durante o Franquismo, não confirmou as suspeitas das famílias, que acreditavam ter sido erradamente informadas da morte dos filhos para que estes pudessem ser entregues a outras pessoas.

Segundo o El País, do conjunto de restos mortais de 90 bebés aos quais foi possível fazer análises de ADN, 81 (90%) vieram a confirmar-se serem filhos das famílias que acreditavam que poderiam ter sido roubados. Os restantes casos foram considerados inconclusivos.

A revelação surge dias depois de ter sido conhecida a sentença de Eduardo Vela, um ginecologista e obstetra que, no final da década de 1970, entregou para adoção uma rapariga, depois de ter comunicado aos pais biológicos que esta tinha morrido. Vela foi considerado culpado dos crimes que lhe foram imputados, mas acabou por ser absolvido devido à alegada prescrição dos factos. O Ministério Público espanhol já anunciou que irá recorrer da sentença para um tribunal superior.

Este caso - até agora o único julgamento a ter lugar em Espanha na sequência das denúncias de uma prática estabelecida de roubo de bebés no país entre as décadasd de 1950 e 1980 - foi desencadeado pela própria rapariga "roubada" por Vela, de 85 anos, que dirigiu durante várias décadas a clínica de San Ramón, em Madrid. Inés Madrigal, a queixosa, chegou a denunciar a mãe adotiva, entretanto já falecida, que afirmou sempre que nunca pagou qualquer contrapartida por receber a bebé e que o médico lhe tinha dito que a criança tinha sido entregue para adoção pelos pais.

As Associações de famílias que afirmam terem sido vítimas de práticas como esta acreditam que, por toda a Espanha, poderão ter chegado aos 300 mil os bebés desviados. Mas este é um número que as autoridades não confirmam, nem de perto nem de longe, ainda que não descartem a ocorrência de várias outras situações.

Exclusivos