Temer: "Governo não interferirá nas investigações sobre corrupção"

O presidente interino garantiu que investigações vão decorrer sem o envolvimento nem pressão por parte do governo

O Governo brasileiro não vai interferir na condução na operação policial que investiga crimes de corrupção na Petrobras, garantiu hoje o chefe de Estado interino, durante a cerimónia de posse dos novos presidentes de bancos públicos e órgãos estatais.

"Pela enésima vez, não haverá a menor possibilidade de qualquer interferência de ninguém na Lava Jato. A toda hora leio uma ou outra notícia que o objetivo é interferir. Não há a menor possibilidade de qualquer interferência do Executivo nesta matéria", garantiu Michel Temer.

O comentário foi uma resposta às gravações secretas feitas pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, em cujos diálogos se ouvem críticas de membros do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), a formação de Temer, a esta operação policial.

A divulgação destes áudios causou já duas baixas no Governo: o ex-ministro do Planeamento, Romero Jucá e o ex-ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, Fabiano Silveira.

Ambos foram gravados a criticar a Lava Jato e insinuando possíveis interferências para conter a investigação, que atualmente concentra esforços no apuramento do envolvimento de políticos nos crimes cometidos na petrolífera estatal brasileira.

Hoje de manhã o Palácio do Planalto anunciou que o advogado e ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Torquato Jardim, vai assumir o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle, sucedendo a Fabiano Silveira, que pediu demissão na passada segunda-feira.

Na cerimónia realizada hoje de manhã no Palácio do Planalto tomaram posse Maria Silvia Bastos Marques, no cargo de presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES); Paulo Rogério Caffarelli, como presidente do Banco do Brasil; Gilberto Occhi, que será o novo presidente da Caixa Econômica Federal; Pedro Parente, que presidirá à Petrobras; e Ernesto Lozardo, para a direção do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.