Surto na China. Pequim encerra todas as escolas e proíbe saídas da cidade

"A situação é muito grave", disse o porta-voz da capita chinesa ao anunciar novas restrições. Escolas e universidades foram encerradas e só se pode sair da cidade quem tiver um teste negativo.

O coronavírus está de novo a afligir a China, sobretudo a capital do país. As autoridades de Pequim ordenaram esta terça-feira que os residentes não devem sair da cidade - só pode viajar quem tiver um teste com resultado negativo - e encerrou as escolas novamente, enquanto as autoridades lutam para conter um novo surto "grave" de coronavírus na cidade de 21 milhões de pessoas.

O ressurgimento do coronavírus - que se acredita ter começado no amplo mercado de Xinfadi na capital - provocou alarme, já que a China controlou amplamente o surto através de testes em massa e quarentenas draconianas.

O país diminuiu grande parte das suas medidas anti-coronavírus nos últimos meses, com o governo a declarar vitória contra a doença que surgiu na cidade de Wuhan no final do ano passado.

Temendo que um surto esteja a desenvolver, as autoridades encerraram várias áreas residenciais e anunciaram novas restrições nesta terça-feira.

O governo da cidade disse que os moradores devem evitar "viagens não essenciais" para fora da capital.

"Qualquer pessoa que sair de Pequim deve ter uma leitura negativa num teste realizado no intervalo de sete dias (antes da partida)", disse Chen Bei, vice-secretário geral do governo municipal de Pequim, em conferência de imprensa.

Residentes de áreas de infeção de "risco médio ou alto" estão completamente proibidos de sair.

A comissão local de educação anunciou que todas as escolas, que tinham sido reabertas, fecham novamente e regressam às aulas online. As universidades foram instruídas a suspender o regresso dos estudantes.

"A situação epidémica na capital é extremamente grave", alertou o porta-voz da cidade de Pequim, Xu Hejian.

Mais 27 casos foram registados esta terça-feira. Elevaram o número de infeções confirmadas em Pequim nos últimos cinco dias para 106, quando as autoridades fecharam quase 30 comunidades na cidade e testaram dezenas de milhares de pessoas.

A Organização Mundial da Saúde já tinha manifestado preocupação com o cluster, apontando para o tamanho e a conectividade de Pequim.

Autoridades da cidade disseram que testariam proprietários e gerentes de barracas em todos os mercados de alimentos, restaurantes e cantinas do governo.

A capacidade de teste de Pequim foi ampliada para 90.000 por dia, segundo a agência de notícias estatal Xinhua.

Wu Yaling, 57 anos, estava numa longa fila de pessoas mascaradas, esperando no calor escaldante por testes num parque em frente a um hospital no centro da cidade. "Tento não sair o máximo possível", disse, acrescentando que a sua casa fica perto de um dos mercados fechados.

A comissão de transporte da capital proibiu ainda os serviços de taxistas e pedestres de transportar passageiros para fora da cidade, disse a Xinhua.

Todos os locais de desportos e entretenimento de Pequim receberam ordem para encerrar na segunda-feira, enquanto outras cidades da China avisaram que colocariam em quarentena as chegadas da capital.

A Comissão Nacional de Saúde também informou quatro novas infeções domésticas na província de Hebei, que circunda a capital, e um caso relatado na província de Sichuan foi vinculado ao cluster de Pequim.

As autoridades estavam a rastrear pessoas de Pequim que viajaram para outras partes da China e incentivando aqueles que visitaram a capital a fazer o teste.

Inspeções a mercados

As autoridades de Pequim disseram esta terça-feira que desinfetaram 276 mercados agrícolas e 33.000 empresas de alimentos e bebidas, fechando 11 mercados.

Mais sete propriedades residenciais também foram encerradas.

"O surto de Pequim provavelmente será controlado rapidamente", disse Wu Hulin, um técnico de 23 anos no distrito de Xicheng que foi testado. "Acho que a China está a fazer um trabalho melhor em comparação com o exterior".

As autoridades alertaram que, desde 30 de maio, 200.000 pessoas visitaram o mercado de Xinfadi, que fornece mais de 70% das frutas e legumes de Pequim.

Mais de 8.000 trabalhadores foram testados e enviados para quarentena.

O Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da China disse na segunda-feira que o tipo de vírus encontrado no surto de Pequim é uma "grande cepa epidémica" na Europa.

Wu Zunyou, principal epidemiologista do organismo, disse à emissora estatal CCTV que o surto "provavelmente" teve origem fora da China ou de outras partes do país.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG