Sorrisos e um pinheiro no caminho para a paz

Na terceira cimeira intercoreana, Kim Jong-un e Moon Jae-in anunciaram, num comunicado conjunto, o fim da guerra e o empenho na desnuclearização da península.

Aperto de mão na linha de fronteira em Panmunjon

Foi um Kim Jong-un "tomado pela emoção" que atravessou a fronteira com a Coreia do Sul em Panmunjon para a terceira cimeira inter-coreana desde o fim da guerra entre os dois países. Foi a primeira vez que um dirigente da Coreia do Norte pisava solo do Sul desde 1953, quando foi assinado o armistício que pôs fim a três anos de guerra da Coreia. Antes ainda, o líder norte-coreano apertou as mãos e convidou o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, a atravessar também a fronteira mas para o lado do Norte. Para Moon, não foi uma estreia em solo norte-coreano. Filho de refugiados do Norte, em 2004, quando era assistente do presidente Roo Moo-hyun, acompanhou a mãe a uma reunião com familiares. Ontem, Moon e Kim caminharam lado a lado até à Casa da Paz, na parte sul de Panmunjon, onde há 65 anos foi assinado o armistício. "Vim aqui decidido a dar um sinal de partida, à beira de uma nova história", afirmou Kim Jong-un.

Uma mesa oval e um início de discussão para a TV

Há meses, quando a Coreia do Norte mantinha o mundo à beira da guerra lançando mísseis e realizando um sexto ensaio nuclear, ninguém imaginaria que este encontro entre Kim e Moon se fosse realizar tão cedo. Mas depois de um discurso de ano novo conciliatório do líder norte-coreano, o ponto de viragem surgiu com os Jogos Olímpicos de Inverno na Coreia do Sul, em fevereiro, quando os dois países desfilaram sob a mesma bandeira. Ontem, o líder da Coreia do Norte e o presidente da Coreia do Sul sentaram-se na Casa da Paz frente-a-frente numa mesa oval. Kim estava acompanhado pela irmã e conselheira Kim Yo-jong e pelo responsável das relações intercoreanas, enquanto Moon tinha ao lado o líder dos serviços secretos e o chefe de gabinete. O arranque das conversações foi transmitido em direto pelas televisões.

Dois homens, um banco e uma vedação azul

As primeiras palavras dos dois líderes foram acompanhadas de perto pelos jornalistas, mas as verdadeiras negociações decorreu à porta fechada. Kim chegara à zona desmilitarizada (DMZ - a faixa de quatro quilómetros de largura que separa as Coreias ao longo dos mais de 250 quilómetros de fronteira) de limusina e acompanhado por 12 seguranças que corriam ao lado do veículo. Durante o intervalo das negociações, os dois líderes deram um passeio e sentaram-se num banco ao ar livre, junto à vedação azul, para uma conversa longe dos microfones.

Uma árvore para uma "nova primavera" entre as Coreias

Também no intervalo das negociações, Kim e Moon plantaram uma árvore. O pinheiro em causa nasceu em 1953, o ano do armistício, foi plantado junto à estrada que o fundador do grupo Hyundai, Chung Ju-yung, usou em finais dos anos 90 para levar 50 camiões cheios de vacas até ao Norte, num esforço de reconciliação. Numa cerimónia muito simbólica, a árvore foi plantada em terra vinda da Coreia do Norte e da Coreia do Sul e regada com água trazida de um rio norte-coreano e de um rio sul-coreano. Os dois líderes, de luvas brancas, lançaram a terra sobre o pinheiro e regaram-no com regadores verdes, antes de descerrar uma placa com os nomes de ambos e a frase "plantar a paz e a prosperidade". Após descrever a árvore como símbolo da "nova primavera" entre as duas Coreias, Kim dirigiu-se a Moon dizendo esperar "que a nossa relação possa crescer tal como este pinheiro". Ao que Moon respondeu: "Sim, espero que isso aconteça".

O fim da guerra numa declaração conjunta

Passava poucos das 10:00 de Lisboa quando surgiu a notícia: Kim e Moon tinham acabado de assinar uma declaração conjunta para pôr fim à guerra da Coreia, empenhando-se em trabalhar para a "completa desnuclearização da península coreana". Coreia do Norte e Coreia do Sul vão assinar, até final do ano, um tratado que porá fim oficial ao conflito que terminou há 65 anos com um armistício. "Somos um povo que não deve estar em confronto... devemos viver em união", afirmou Kim diante da Casa da Paz, acrescentando: "Esperámos muito por este momento. Todos nós". Ao seu lado, Moon garantiu: "Não vai haver mais guerra na Península coreana, começou uma nova era de paz". Foi ainda anunciada uma visita de Moon à Coreia do Norte a acontecer no outono e a abertura de uma secção de interesses conjunta na cidade norte-coreana de Gaeseong, para facilitar as consultas entre ambos os países. No comunicado conjunto, Kim e Moon comprometem-se a cessar todos os "atos hostis" entre Norte e Sul, a transformar a DMZ numa zona de paz, a organizar a reunificação de famílias separadas desde os tempos da guerra, a ligar e modernizar as estradas e caminhos-de-ferro que atravessem a fronteira e a manter a participação conjunta de atletas dos do Norte e do Sul em eventos desportivos, como os Jogos Asiáticos já este ano.

As primeiras damas cantoras juntas ao jantar

A norte-coreana Ro Sol-ju e a sul-coreana Kim Jung-sook juntaram-se aos maridos para o jantar que encerrou a cimeira. Uma tem 20 e poucos anos e dela pouco se sabe, a outra anda pelos 60 e é conhecida pela personalidade forte. À primeira vista pouca coisa une as mulheres do líder norte-coreano, Kim Jong-un, e do presidente sul-coreano, Moon Jae-in, a não ser a paixão pela música. Jovem, bela e elegante, Ri Sol-ju terá casado com Kim em 2009 e o casal terá três filhos, mas só em 2012 foi pela primeira vez apresentada como a mulher do líder de um dos países mais fechados do mundo. Antes disso cantou no grupo musical Unhasu, cujos elementos são escolhidos com base nos dotes vocais, no aspeto e na fidelidade ao regime. Aos 63 anos, a sul-coreana Kim Jung-sook cantou no coral da câmara de Seul antes de casar e passar a cuidar dos dois filhos. Moon e Kim conheceram-se na universidade onde ela estudava canto clássico e ele tirava Direito ao mesmo tempo que militava contra a ditadura militar.

Exclusivos