Tusk admite novas ações da UE face a Moscovo

Além da convocação do embaixador russo junto da UE para conversações, os Estados-membros podem adotar outras medidas, admitiu hoje o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk

O Presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, admitiu hoje que a convocação do embaixador russo junto da UE para conversações poderá não ser a única ação conjunta dos 28, adiantando que poderão seguir-se medidas adotadas por Estados-membros.

São esperados mais passos, a nível nacional, e possivelmente a partir de segunda-feira", disse Tusk

"É ainda muito cedo para dizer qual é o nosso próximo passo", disse Tusk, em conferência de imprensa no final do Conselho Europeu, adiantando que em abril poderá haver uma reavaliação após a reunião da chefe da diplomacia da UE com o embaixador russo junto da UE.

"São esperados mais passos, a nível nacional, e possivelmente a partir de segunda-feira", disse Tusk.

O líder dos 28 disse ainda que "mais do que um, mas não todos" os Estados-membros poderão dar "mais passos" contra a Rússia, na sequência do envenenamento de um ex-espião russo e da sua filha no Reino Unido.

"Nunca teremos uma verdadeira hipótese de retaliar, porque não estamos ao mesmo nível do atacante", respondeu quando questionado sobre que tipo de medidas poderão ser adotadas contra Moscovo.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, realçou ser a primeira vez que um embaixador é convocado pela chefe da diplomacia europeia, para conversações

"Temos posições, interesses e tradições diferentes face à Rússia e não é fácil manter o grupo dos 28 unido, pelo que aprecio o bom instinto político dos meus colegas", sublinhou, adiantando que os Estados-membros estão "tão unidos quanto possível".

Por seu lado, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, realçou ser a primeira vez que um embaixador é convocado pela chefe da diplomacia europeia, para conversações.

O Reino Unido expulsou 23 diplomatas russos em Londres na sequência do envenenamento com um agente neurotóxico - no dia 4 - contra Serguei Skripal e a sua filha, uma medida à qual Moscovo respondeu com a expulsão de 23 diplomatas britânicos em Moscovo

O embaixador é esperado em Bruxelas este fim de semana.

O Reino Unido expulsou 23 diplomatas russos em Londres na sequência do envenenamento com um agente neurotóxico - no dia 4 - contra Serguei Skripal e a sua filha, uma medida à qual Moscovo respondeu com a expulsão de 23 diplomatas britânicos em Moscovo e suspendendo a ação do British Council.

Londres afirma que os diplomatas russos expulsos no início da semana eram, na realidade, elementos dos serviços secretos.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG