Número de mortos no sismo do México sobe para 32

Foram medidas ondas de um metro acima do nível da maré. Sismo foi seguido de violentas réplicas

Um sismo de magnitude 8,1 na escala de Richter atingiu o México na quinta-feira à noite (23.49 na hora local, 5.49 de sexta-feira em Lisboa), abalando violentamente o país e alguns países vizinhos. Pelo menos 32 pessoas morreram no México, incluindo duas crianças, e uma na Guatemala, mas é provável que o número de vítimas mortais venha aumentar. O governador do estado de Oaxaca, Alejandro Murat, revelou que só na região morreram 23 pessoas e 17 das vítimas estavam na cidade de Juchitan, no Istmo de Tehuantepec.

Trata-se do sismo mais forte a atingir o México desde 1985 e, de acordo com o presidente do país, será o mais forte do século a atingir a costa sul do país. Peña Nieto revelou que o terramoto foi sentido por 50 milhões de pessoas. Na Cidade do México - a mais de mil quilómetros do epicentro e onde vivem quase nove milhões de pessoas - soou um alarme sísmico e imediatamente se ouviram sirenes de ambulâncias. A força do sismo fez os residentes fugirem das suas casas, ainda de pijama, juntando-se a grupos nas ruas. "A casa moveu-se como pastilha elástica e a luz e internet desapareceram", contou Rodrigo Soberanes, que vive em San Cristobal de las Casas, no estado do sul.

Além deste sismo, com epicentro a cerca de 70 km a SW da costa de Chiapas, em zona submersa, com uma profundidade de 70 km, o México foi abalado durante a noite por poderosas réplicas - a maior de magnitude 5,7 na escala aberta de Richter.

O governador de Tabasco, no México, indicou que uma das crianças morreu na sequência da derrocada de uma parede, e a outra, um bebé, morreu num hospital pediátrico que ficou sem eletricidade, interrompendo o funcionamento do ventilador a que estava ligado.

Na região onde se localizou este evento, a placa tectónica de Cocos converge com a placa norte-americana com uma taxa de aproximadamente 76 mm/ano. Segundo o Instituto Português do mar e da Atmosfera, "o terremoto ocorreu como resultado do movimento de uma falha normal, tendo originado um pequeno tsunami com ondas que atingiram uma altura máxima de 70 cm em alguns pontos da costa mexicana de Chiapas". O Centro de Alerta de Tsunamis do Pacífico indicou que o Equador, El Salvador e Guatemala podem verificar ondas de um metro ou menos.

Na capital mexicana, os edifícios abanaram com intensidade por mais de um minuto, descreveu a AP. No estado de Chiapas os relatos apontam para um impacto significativo do terramoto, mas a zona mais afetada mantém-se quase incontactável, não sendo por isso possível apurar os danos materiais ou pessoais. No estado de Oaxaca, partes do edifício da câmara municipal, um hotel, um bar e outros edifícios ficaram reduzidos a escombros, refere a agência Reuters.

Presidente da Guatemala pede calma

O Governo da Guatemala fez um apelo à calma após o sismo com epicentro no México, que se fez sentir na Guatemala às 22:49 de quinta-feira (05:49 de hoje em Lisboa).

Através do Twitter, o Presidente da Guatemala, Jimmy Morales pediu calma à população.

O porta-voz da Coordenação Nacional para Redução de Desastres, David de León, indicou que ainda não há registo de vítimas.

Os 'media' locais descrevem quedas de paredes de casas no oeste do país.

O sismo sentiu-se em vários departamentos da Guatemala, segundo relatos de moradores em redes sociais.

Em atualização

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG