Senado rejeita aborto e Argentina fica com lei de 1921

Senadores votaram contra a legalização da interrupção voluntária da gravidez até às 14 semanas

Depois de uma maratona de 16 horas de debate, os senadores argentinos votaram contra a legalização do aborto - 38 contra e 31 a favor. Este resultado significa que só no próximo ano os legisladores terão outra oportunidade para revogar uma lei que data de 1921.

Neste momento, o aborto só é permitido na Argentina em caso de violação ou se a vida da mãe estiver em causa. Em julho, a legalização até às 14 semanas de gravidez fora aprovada pela Câmara baixa do congresso argentino por uma margem mínima.

Enquanto decorria o debate e a votação, no exterior do Senado amontoavam-se manifestantes pró e contra o direito ao aborto. "O que este resultado mostra é que a Argentina ainda é um país que representa os valores da família", disse à Reuters a ativista Victoria Osuna, de 32 anos. Victoria era uma das manifestantes que saudaram a decisão do Senado, exibindo lenços azuis e segurando bandeiras da Argentina, o país natal do papa Francisco.

Os apoiantes do direito ao aborto, que se distinguiam por ter lenços verdes na cabeça, dançaram nas ruas até à votação final, apesar do vento e da chuva fria do inverno argentino. Muitos estavam acampados diante do Congresso em Buenos Aires há vários dias. "Ainda estou otimista. Não passou hoje mas vai passar amanhã, ou noutro dia", disse também à Reuters Natalia Carol, de 23 anos.

Apesar de ser pessoalmente contra o aborto, o presidente Mauricio Macri já dissera estar disposto a aassinar a nova lei, se fosse aprovada pelo Senado. Todos os anos há pelo menos 350 mil abortos ilegais feitos na Argentina, estima o Ministério da Saúde, mas os grupos de defesa dos direitos humanos garantem que serão muitos mais

Na América do Sul

Cuba e Uruguai são os dois únicos países da América do Sul a ter legalizado o aborto. No Brasil, o assunto está em debate e o Supremo Tribunal vai decidir que a lei atual, que apenas permite interromper a gravidez em caso de violação, malformação do feto ou risco de vida para a mãe, é constitucional. A legalização enfrenta a oposição feroz dos evangélicos, cada vez mais poderosos no Brasil.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.