Seis mortos no atentado no Iémen reivindicado pelo Estado Islâmico

O ataque visou um centro de fornecimento de alimentos de uma força de segurança apoiada pelos Emirados Árabes Unidos

Seis pessoas, incluindo uma criança, morreram hoje no atentado suicida reivindicado pelo grupo Estado islâmico (IS) em Aden, no sul do Iémen, adiantou um funcionário de segurança.

O ataque, no norte de Aden, visou um centro de fornecimento de alimentos de uma força de segurança apoiada pelos Emirados Árabes Unidos, segundo o mesmo funcionário.

No ataque, morreram seis pessoas, incluindo uma criança e 30 ficaram feridas, entre as quais transeuntes, acrescentou a mesma fonte, fazendo assim uma reavaliação dos dados avançados anteriormente.

Logo após o ataque, que causou também danos materiais consideráveis, as autoridades avançaram com cinco mortos e 18 feridos.

Numa declaração, onde é reivindicado o ataque, é revelado que o homem-bomba chama-se Hamza al-Muhajir.

A 24 de fevereiro, cinco pessoas, incluindo uma criança, foram mortas e 31 ficaram feridas num duplo atentado suicida contra a unidade antiterrorista também na cidade de Aden.

O ataque também foi reivindicado pelo IS. A unidade visada fazia parte das forças leais ao presidente iemenita Abd Rabbo Mansour Hadi.

Nos últimos anos, Aden, uma cidade do sul, tem sido palco de uma série de ataques que mataram centenas de pessoas, alguns dos quais foram reivindicadas pelo IS, outras pela Al Qaeda.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.