Seguradora de Bill Cosby chega a acordo com sete mulheres

Em causa estavam processos de difamação, movidos depois de o ator as ter acusado de mentirem sobre abusos sexuais. Representante do ator diz que este nada teve a ver com o acordo e que continua a negar as acusações

A seguradora American International Group, com a qual Bill Cosby tem contrato, chegou a acordo com sete mulheres que tinham avançado com processos de difamação contra o ator, depois de este as ter acusado de mentir ao denunciarem alegados abusos sexuais cometidos pelo comediante.

A informação foi avançada pelo The New York Times, que cita documentos entregues nesta sexta-feira no tribunal federal do estado do Massachussets. "As queixosas chegaram a um acordo nas ações que tinham movido contra o senhor Cosby", confirmou ao jornal Joseph Cammarata, representante destas mulheres.

Andrew Wyatt, porta-voz do ator - que cumpre atualmente uma pena de três a dez anos de prisão pelo abuso, em 2004, de Andrea Constand - afirmou que este "não fez acordos com ninguém" nem irá "pagar a ninguém", tendo toda a negociação sido feita "sem o seu conhecimento ou permissão". Até porque, explicou, "o senhor Cosby nega veementemente as acusações de que foi alvo nestas ações e mantém a sua inocência".

As sete mulheres que acusaram Cosby de ter abusado delas - cujos casos não chegaram à justiça criminal porque os factos denunciados já estavam prescritos - foram Tamara Green, Therese Serignese, Linda Traitz, Barbara Bowman, Joan Tarshis, Louisa Moritz (já falecida, no início deste ano) e Angela Leslie.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG