Secretário-geral da OCDE chama a atenção para necessidade de cumprir Acordos de Paris

Ángel Gurría está em Lisboa para a reunião da Tidewater e enviou mensagem para vítimas e familiares das vítimas do incêndio de Pedrógão Grande

"A confiança foi uma das principais vítimas da crise", sublinhou Ángel Gurría, secretário-geral da OCDE, presente em Lisboa para participar na quadragésima nona reunião da Tidewater, que decorre na capital portuguesa até quarta-feira.

O líder da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico começou a sua intervenção por enviar uma mensagem de homenagem às vítimas e aos familiares das vítimas dos incêndios de Pedrógão Grande. "É um prazer regressar a Lisboa, mas desta vez, no entanto, venho triste com a recente perda de muitas vidas devido aos fogos que atingiram Portugal".

Gurría frisou que a comunidade internacional tem que conseguir cumprir os objetivos para o desenvolvimento sustentável definidos na Agenda 2030, lamentando "a onda de protecionismo, populismo e antiglobalizacão" a que o mundo tem vindo a assistir no último ano e meio. "As pessoas veem que o desfasamento entre o que têm e o que não têm tem vindo a aumentar". Na opinião do político mexicano, essa circunstância, ampliada pela crise económica, minou a confiança entre as populações e as instituições.

O secretário-geral da OCDE revelou que a ajuda aos países em vias de desenvolvimento atingiu em 2016 um recorde de 143 mil milhões de dólares, o que representa um acréscimo de 8,9% em comparação com 2015. Ainda assim, Gurría chamou a atenção para o facto de ainda haver, em todo o mundo, mil milhões de pessoas que vivem em pobreza extrema.

"Temos também que assegurar o cumprimento dos compromissos assumidos nos Acordos de Paris. A necessidade da ação climática não deveria exigir grandes reflexões", sublinhou o secretário-geral da OCDE.

Exclusivos

Premium

Rogério Casanova

Arquitectura fundida

Uma consequência inevitável da longevidade enquanto figura pública é a promoção automática a um escalão superior de figura pública: caso se aguentem algumas décadas em funções, deixam de ser tratadas como as outras figuras públicas e passam a ser tratadas como encarnações seculares de sábios religiosos - aqueles que costumavam ficar quinze anos seguidos sentados em posição de lótus a alimentar-se exclusivamente de bambu antes de explicarem o mundo em parábolas. A figura pública pode não desejar essa promoção, e pode até nem detectar a sua chegada. Os sinais acumulam-se lentamente. De um momento para o outro, frases suas começam a ser citadas em memes inspiradores no Facebook; há presidentes a espetar-lhes condecorações no peito, recebe convites mensais para debates em que se tenciona "pensar o país". E um dia, subitamente, a figura pública dá por si sentada à frente de uma câmera de televisão, enquanto Fátima Campos Ferreira lhe pergunta coisas como "Considera-se uma pessoa de emoções?" ou "Acredita em Deus?".

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Ler e/ou escrever

Há muitos anos, recebi um original de ficção de uma autora estreante que pedia uma opinião absolutamente sincera sobre a sua obra. Designar por "obra" o que ainda não devia passar de um rascunho fez-me logo pensar em ego inflamado. Por isso decidi que, se a resposta fosse negativa, não entraria em detalhes, sob o risco de o castelo de cartas cair com demasiado estrondo. Comecei pela sinopse; mas, além de só prometer banalidades, tinha uma repetição escusada, uma imagem de gosto duvidoso, um parêntese que abria e não fechava e até um erro ortográfico que, mesmo com boa vontade, não podia ser gralha. O romance propriamente dito não era melhor, e recusei-o invocando a estrutura confusa, o final previsível, inconsistências várias e um certo desconhecimento da gramática.