"Se a guerra chegar". Panfleto vai para 4,8 milhões de casas

Governo sueco, em 20 páginas, explica e alerta a população para situações de crise extrema, como guerra, catástrofes naturais e ciberataques ou terrorismo

"O que faria se a sua vida fosse virada do avesso?". É com esta interrogação que começa um panfleto que o governo sueco está a entregar em 4,8 milhões de casas por toda a Suécia. É a primeira vez que tal é feito no país em mais de meio século.

"Om krisen eller kriget kommer" (se a crise ou a guerra chegarem) é um folheto informativo de 20 páginas que explica à população o que fazer para assegurar, por exemplo, necessidades básicas como comida, água e aquecimento. Explica ainda o que vários alarmes e avisos significam e como é que as pessoas podem contribuir para a "defesa total" da Suécia.

"Embora a Suécia seja mais segura que muitos países, existem muitas ameaças à nossa segurança e independência. Se estiver preparado, está a contribuir para melhorar a capacidade do país em lidar com as situações", lê-se também.

Não é só a guerra "clássica" que é abordada. O panfleto adapta-se ao mundo contemporâneo e alerta também para os ciberataques. Fenómenos naturais não são, também, deixados de parte.

Explica o Guardian que panfletos semelhantes aos que agora são distribuídos foram dados à população da então "neutra" Suécia durante a II Guerra Mundial. A situação manteve-se, com atualizações, até 1961, e depois até 1991 apenas para o governo local e nacional.

Além de uma lista de itens e coisas a ter e fazer para ultrapassar situações mais complicadas, existem ainda dicas para identificar e combater "informação falsa".

Há ainda indicações para o que fazer em caso de ataque terrorista e todos os contactos essenciais são disponibilizados.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.