Líder do MLSTP confirma acordo da oposição para governar São Tomé

Jorge Bom Jesus, líder do maior partido da oposição são-tomense, confirmou este domingo, depois de votar, que existe um acordo de princípio para formar uma coligação entre o seu MLSTP-PSD e a coligação PSC/MDFM-UDD

O líder do maior partido da oposição em São Tomé e Príncipe (MLSTP-PSD), Jorge Bom Jesus, confirmou este domingo que existe "um acordo de princípio" com a coligação formada por outros partidos opositores para a formação de um governo.

"Há um acordo de princípio que respeitaremos, até porque o nosso lema é 'São Tomé e Príncipe para todos'. Queremos contar com todas as competências válidas neste país, contrariamente ao que aconteceu nos últimos quatro anos", afirmou hoje Bom Jesus, líder do Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe - Partido Social Democrata (MLSTP-PSD) aos jornalistas, depois de votar na escola 1.º de Junho, nos arredores da capital são-tomense.

Caso não consiga uma maioria absoluta nas legislativas de domingo, o MLSTP tem um acordo para constituir governo com a coligação formada pelo Partido da Convergência Democrática (PCD), a União para a Democracia e Desenvolvimento (UDD), e o Movimento Democrático Força da Mudança (MDFM), encabeçada por Arlindo Carvalho.

"Ao longo destes quatro anos, o país bipolarizou-se. A oposição criou afinidades. É natural que, em função dos resultados", se coloque esse cenário, disse.

Bom Jesus ressalvou que "ainda é prematuro falar de percentagens, porque tudo isto tem relação com o equilíbrio de força".

Sobre a possibilidade de não vencer as eleições legislativas de hoje, Bom Jesus respondeu: "Eu sou um democrata nato. Por isso, o que eu quero é que as eleições decorram como habitualmente, para que nós possamos validar estes resultados".

"Em São Tomé e Príncipe, não há tradição de grandes contestações, até porque os observadores internacionais estão cá, os jornalistas, nós pedimos vigilância máxima redobrada face a alguns atropelos do passado. Toda a gente está mais do que avisada neste sentido", disse.

Do lado do MLSTP, garantiu, "não haverá grandes problemas a partir do momento em que as coisas decorram com toda a transparência possível".

Além das eleições para a Assembleia Nacional, os são-tomenses escolhem hoje as lideranças das seis câmaras distritais da ilha de São Tomé e o novo governo regional do Príncipe.

Jornalista da Agência Lusa

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG