Salvini e outros nacionalistas propõem "bom senso" na Europa

Partidos nacionalistas e anti-imigração propõem a criação de um partido chamado Aliança Europeia para o Povo e as Nações com o objetivo de "mudar a Europa".

Os partidos nacionalistas e anti-imigração planeiam juntar forças após as eleições para o Parlamento Europeu, a realizar-se no próximo mês, ao criar um novo grupo em Estrasburgo. "Queremos reformar a União Europeia e o Parlamento Europeu, sem os destruir. Queremos fazer uma mudança radical", disse Joerg Meuthen, presidente do eurocético Alternativa para a Alemanha (AfD).

Meuthen disse aos jornalistas que o novo grupo dentro do parlamento da União Europeia vai chamar-se de Aliança Europeia para o Povo e as Nações e envolveria inicialmente pelo menos 10 partidos, apesar de só terem estado elementos de quatro formações na conferência realizada segunda-feira de manhã em Milão com o título "Por uma Europa de bom senso".

O evento foi organizado pelo vice-primeiro-ministro italiano Matteo Salvini, que lidera a Liga. Além da AfD, também se comprometeram com a iniciativa o Partido dos Finlandeses, que se fez repersentar com Olli Kotro, e o Partido Popular Dinamarquês, com Anders Vistisen. "As pessoas não estão interessadas em debates ideológicos, queremos mudar a Europa", disse o italiano, cujo partido de extrema-direita lidera as sondagens."Estou cansado do debate fascista, comunista, de direita e de esquerda, não nos importamos e não interessa a 500 milhões de cidadãos europeus. Olhamos para o futuro, deixamos o debate sobre o passado para os historiadores."

Os partidos soberanistas europeus partilham os grandes objetivos ideológicos de travar o consenso na UE e de devolver o poder às capitais dos Estados-Membros., mas estão em desacordo sobre políticas económicas e sociais, o que dificulta a criação de um grupo coerente no seio do Parlamento Europeu. Se, por exemplo, a União Nacional da francesa Marine Le Pen já anunciou que se vai juntar a este novo grupo, o Fidesz do primeiro-ministro húngaro vai esperar pelos resultados das eleições para tomar uma decisão.

Para se constituir um grupo no Parlamento Europeu é necessário ter um mínimo de 25 deputados eleitos em sete países.

"Hoje, nesta mesa, não há extremistas nostálgicos, os únicos nostálgicos estão em Bruxelas", disse Salvini, que anunciou ter como meta a constituição do maior grupo parlamentar em Estrasburgo e com isso poder nomear comissários - cada Estado propõe um candidato ao cargo de comissário tendo em conta os resultados das eleições europeias.

Numa mensagem para o eleitorado italiano, afirmou ainda que o Partido Democrático e a Força Itália têm estado sempre no governo da Europa, pelo que "é difícil para eles falar em mudar a Europa se a governam há anos".

Exclusivos