Cinema oferece bilhetes a extremistas alemães para verem "A Lista de Schindler"

Com esta iniciativa, a organização diz que "não quer argumentar" que os militantes do partido Alternativa para a Alemanha (AfD) "são nazis", mas apenas criar um espaço de diálogo aberto aos simpatizantes do nazismo

Uma sala de cinema na Alemanha vai oferecer bilhetes grátis a militantes de extrema-direita para assistirem ao filme "A lista de Schindler", de Steven Spielberg, que recria a história de um empresário que salvou centenas de judeus do Holocausto.

Uma sala de cinema em Hachenburg, uma pequena cidade no oeste da Alemanha, decidiu oferecer bilhete grátis para uma sessão do filme "A lista de Schindler", bastando que os candidatos aos bilhetes provem ser militantes do partido Alternativa para a Alemanha (AfD), um movimento de extrema-direita, e se apresentem no dia 27 de janeiro, dia dedicado à memória das vítimas do nazismo.

A organização desta iniciativa, no momento em que a película comemora 25 anos de estreia, explicou numa página da Internet que pretende dar "máxima visibilidade à projeção do filme e fazê-lo chegar ao maior número possível de pessoas".

Ao dar bilhetes gratuitos a militantes do Alternativa para a Alemanha, a organização diz que "não quer argumentar que são nazis", mas apenas criar um espaço de diálogo aberto aos simpatizantes do nazismo, para que compreendam melhor o fenómeno da segregação.

A direção do AFD já manifestou inquietação sobre a iniciativa e o líder da organização no estado da Renânia, Uwe Junge, já protestou via Twitter contra um gesto que considera pretender "colocar o AfD como sendo nacional-socialista".

Nas eleições gerais de 2017, o AfD obteve 12,6% dos votos e tornou-se a primeira formação de extrema-direita com assento no Bundestag (a câmara baixa do Parlamento) desde a década de 1950, tendo também tido resultados significativos nas eleições regionais de 2018.

O filme "A lista de Schindler" regressa em janeiro às salas de cinema, 25 anos após a sua estreia, por vontade de Steven Spielberg, o realizador, que escolheu o dia 27 de janeiro para recordar a história do empresário Schindler (1908-1974) que ajudou centenas de judeus a escapar aos campos de concentração nazis.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG