Risco de radiação assustou. Mas Ucrânia diz que incêndio em redor de Chernobyl está controlado

A delegação russa da Greenpeace indicou na segunda-feira que análises de imagens de satélite mostraram que o incêndio esteve a apenas 1,5 km da cúpula protetora, colocada sobre o reator destruído em 1986.

O incêndio que começou a 4 de abril na área de exclusão em redor da antiga central nuclear de Chernobyl já está controlado, disseram as autoridades ucranianas. "Não há chamas", segundo um comunicado do Ministério do Interior, citado pela Reuters, acrescentando contudo que "há um pequeno fumegar do solo da floresta".

Os ambientalistas tinham alertado na segunda-feira para o risco de radiação do incêndio, no local do pior acidente nuclear da história, em 1986. De acordo com a polícia, o incêndio começou quando um homem ateou fogo a uma zona de mato seca.

A delegação russa da Greenpeace disse que análises de imagens de satélite mostraram que o incêndio esteve a apenas 1,5 km da cúpula protetora, colocada sobre o reator destruído.

Yaroslav Yemelianenko, diretor da associação de visitas guiadas a Chernobyl, disse que as chamas atingiram a cidade fantasma de Pripyat, próxima da antiga central, cujos 50 mil habitantes foram retirados após a explosão do reator. Pripyat tornou-se um destino popular e recebe turistas de várias partes do mundo.

"A situação é crítica", escreveu Yemelianenko na sua página no Facebook, segundo a AFP.

O vice-ministro do Interior ucraniano, Anton Gerashchenko, disse contudo que não há riscos para as instalações de armazenamento de lixo nuclear. "É completamente seguro", declarou também no Facebook. Os níveis de radiação estarão também nos níveis considerados normais, apesar de terem chegado a ser detetados pequenos picos de partículas radioativas em Kiev, a sul da central.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, indicou estar a "monitorizar cuidadosamente" a situação e agradeceu aos serviços de emergência pela "coragem". Prometeu ainda transparência, escrevendo no Twitter que "a sociedade precisa de saber a verdade e estar em segurança".

A explosão do quarto reator de Chernobyl, em abril de 1986, contaminou grande parte da Europa e ainda hoje é proibido viver num raio de 30 quilómetros da antiga central. Uma cúpula gigantesca foi colocada sobre o quarto reator em 2016.

Em 2018, mais de 70 mil pessoas visitaram a cidade de Priyat, tendo esse número sido ainda maior no ano passado, depois do sucesso da minissérie da HBO sobre o acidente nuclear.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG