Refugiados enjaulados são a família sagrada no presépio de igreja metodista

Uma igreja metodista da Califórnia fez este ano um presépio representado Jesus, Maria e José como refugiados em gaiolas. O que está a gerar um debate nos Estados Unidos sobre as políticas do governo Trump na fronteira sul do país.

O presépio da Igreja Metodista Unida de Claremont mostra as figuras clássicas do Natal, José e Maria em gaiolas, ao lado de outra com o berço de Jesus. A reverendo Karen Clark Ristine justificou que a sua igreja está a enfrentar uma questão social e que interpela o que está a acontecer nas ruas do sul da Califórnia.

No Facebook, Ristine regressa à história da Bíblia de Jesus, Maria e José para questionar: "E se essa família procurasse refúgio no nosso pais hoje? Imagine que José e Maria se separavam na fronteira de Jesus, que com dois anos seria colocado atrás de grades num centro de detenção do controlo fronteiriço. Pois, mais de 5500 crianças foram colocadas assim nos últimos três anos. Jesus cresceu par nos ensinar bondade, misericórdia e apoio a todas as pessoas".

O governo de Donald Trump sofreu fortes críticas por separar crianças de suas famílias enquanto estas eram detidas na fronteira sul, o que só terminou em 2018.

Esta Igreja Metodista Unida de Claremont já tinha sido arrojada em anos anteriores. Em 2014, o presépio retratava uma Virgem Maria sem teto, numa paragem de autocarro, com o menino Jesus ao colo envolto numa manta, Em anos anteriores, também procurou chamar a atenção nacional sobretudo com a recriação de um casal heterossexual e gay em 2011, ano em que o presépio foi vandalizado.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG