Reagan montado num velociraptor: senador goza com medidas ecológicas

Mike Lee exibiu várias imagens que incluem dinossauros e personagens de ficção, desde tauntauns do Star Wars a um retrato de Ronald Reagan montado num velociraptor, para desacreditar o Green New Deal proposto pelo Partido Democrata.

Para o senador republicano Mike Lee, do estado do Utah, o Green New Deal - pacote de propostas que o Partido Democrata está a preparar com o objetivo de conjugar o crescimento económico com a distribuição mais equitativa da riqueza e a meta de generalizar as fontes de energia 100% renováveis - é "ridículo". E as hipóteses de se concretizar, mesmo com algumas sondagens a revelarem forte apoio por parte de eleitores, quer democratas quer republicanos, "são "nulas".

Mesmo assim, o político dedicou cerca de quinze minutos de intervenção no Senado, esta terça-feira, à tentativa de desacreditar as propostas. E para o fazer recorreu mesmo a suportes visuais, no mínimo, invulgares.

A intervenção começou com uma imagem do antigo Presidente norte-americano, Ronald Reagan montado num velociraptor, com uma metralhadora na mão e um lança-foguetes nas costas, no que Pence explicou ser uma referência à guerra fria "ganha" pelos Estados Unidos.

O objetivo da alegoria seria, aparentemente, ridicularizar os alertas para as alterações climáticas e o chamado aquecimento global. Mas a mensagem não ficou inteiramente clara já que o senador passou rapidamente para a proposta democrata, na qual disse não identificar "nenhuma ideia séria".

Por exemplo, no que respeita aos transportes, na análise de Lee, "O Green New Deal apela essencialmente à eliminação dos aviões", o que colocaria em causa a mobilidade de muitos cidadãos norte-americanos, nomeadamente aqueles que vivem mais isolados do resto do país. E, para o ilustrar, recorreu a personagens de ficção, propondo-as como meios de transporte alternativos.

No caso dos residentes do Alasca, a proposta veio do universo Star Wars: "Tauntauns, senhor presidente. É uma espécie adorada de "reptomamíferos", nativos do planeta gelado de Hoff", explicou, acrescentando que além de ser "neutra em termos de pegada carbónica", a "espécie bípede de lagartos espaciais peludos" poderiam ainda ajudar a manter a temperatura "numa noite fria".

para os habitantes do Havai, Lee sugeriu um cavalo marinho gigante, idêntico ao que é montado pela personagem da DC Comics Aquaman (também já foi ilustrado a viajar á boleia de um golfinho).

No final da sua exposição das "ridículas" propostas dos democratas, o senador revelou finalmente a sua solução para as alterações climáticas: fazer mais bebés.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.