Raúl Castro: Cuba pode trabalhar com Trump se a soberania do país for respeitada

"Cuba e os Estados Unidos podem cooperar e viver juntos de forma civilizada", disse Castro

O Presidente Raúl Castro defendeu que Cuba tem disponibilidade para manter negociações com a nova Administração norte-americana de Donald Trump, mas alertou que o seu país não fará quaisquer cedências em termos de soberania.

Castro comentou a relação entre os dois países durante a cimeira de líderes da América Latina e Caraíbas, que decorre na República Dominicana e que foi dominada pelas políticas de imigração e comércio de Trump e pelas críticas do novo Presidente à aproximação entre Cuba e os Estados Unidos, que foi promovida pelo seu antecessor, Barack Obama.

"Cuba e os Estados Unidos podem cooperar e viver juntos de forma civilizada", disse Castro na quarta-feira, num discurso durante a cimeira da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos.

O Presidente cubano disse que o seu país vai continuar a normalizar as relações com Washington mas frisou que Cuba não fará "concessões inerentes à sua independência e soberania" para o conseguir.

Os líderes afastaram-se dos temas de discussão esperados depois de Trump ter assinado uma ordem executiva para a construção de um muro na fronteira com o México e ter retirado apoio às chamas cidades santuário nos Estados Unidos, que não prendem ou detêm os imigrantes que vivem ilegalmente no país, ou seja, protegem a deportação de indocumentados.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.