Rap de avozinhas japonesas dá boas-vindas aos líderes mundiais no G20

Elas cantam e dançam num vídeo que está a causar sensação na internet. São as protagonistas do "rap das avozinhas" e dão as boas-vindas aos líderes mundiais que estão em Osaka para a cimeira do G20

Têm uma média de idades de 66 anos, ostentam roupas coloridas, cantam e dançam sorridentes num vídeo que dá as boas-vindas aos líderes mundiais que esta sexta-feira e sábado estão em Osaka, no Japão, para a cimeira do G20.

O Oba Funk Osaka [em inglês] é o "rap das avozinhas" que dá a conhecer a cidade que recebe a cimeira mundial e que já se tornou viral nas redes sociais. Este é o single mais recente do grupo de música pop conhecido por Obachaaan, formado em 2011 - Obachan significa avó. O divertido rap foi agora lançado no âmbito da cimeira que reúne os chefes de Estado e de governo das maiores economias do mundo.

"Vamos conversar", "o que se passa?" ou Osaka "é a cidade mais divertida do mundo" são algumas das frases que se ouve no videoclipe. As sete "avozinhas" japonesas cantam e fazem coreografias pelas ruas da cidade, ostentam roupas coloridas, com destaque para o padrão animal estampado nas t-shirts e joias chamativas, e garantem que os habitantes locais "são as pessoas mais divertidas do mundo".

"Esperamos que as pessoas em todo o mundo fiquem cheias de energia depois de assistirem ao vídeo", deseja Eiko Funai, de 71 anos, um dos elementos do grupo, ao jornal Japan Today. Em poucos dias, o videoclipe já teve mais de 96 mil visualizações.

"É um pouco difícil cantar em inglês. Mas nossos produtores escrevem para nos mostrar como pronunciar a letra em inglês e nós pronunciamos exatamente como eles nos escreveram. Acho que nos saímos bem", acrescentou Funai.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.