Quem são os homens no centro das novas provas dos democratas contra Trump?

Lev Parnas e Robert F. Hyde foram notícia nas últimas horas, quando o advogado do primeiro entregou à Câmara dos Representantes documentos que demonstram o seu papel de operacionais na Ucrânia em ligação com o advogado do presidente.

"O presidente Trump sabia exatamente o que estava a acontecer. Estava ao corrente de todos os meus movimentos. Eu não fazia nada sem a aprovação de Rudy Giuliani ou do presidente", disse Lev Parnas em entrevista a Rachel Maddow, na MSNBC. "Porque é que o círculo do presidente Zelensky ou o ministro Avakov [ministro do Interior] ou o presidente Poroshenko iriam reunir-se comigo? Quem sou eu? Eles receberam indicações para se reunirem comigo e é esse segredo que tentam manter. Eu estava oculto, a fazer o trabalho deles", disse Parnas.

Parnas disse que Rudolph Giuliani, advogado pessoal de Donald Trump, deu instruções para informar o assessor principal do novo presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, que as "relações iriam azedar" e que os EUA iriam deixar de dar ajuda militar se Kiev não anunciasse a investigação a Joe Biden. No dia seguinte, o vice-presidente Mike Pence cancelou a sua presença na cerimónia de tomada de posse de Zelensky.

Lev Parnas, de 48 anos, é o mais recente suspeito de ações criminosas que se vira contra Donald Trump. Detido no ano passado com Igor Fruman, que partilha a origem soviética e negócios em comum na Florida, enfrenta uma pena de prisão de 20 anos. Em outubro foi acusado pela procuradoria de Nova Iorque de violar a proibição de doações estrangeiras relacionadas com eleições, conspiração, falsas declarações e falsificação de documentos após ter recebido um milhão de dólares provenientes de uma conta bancária da Rússia, e canalizado para dois congressistas do Partido Republicano.

Quando Parnas e Fruman foram presos, Donald Trump disse que não os conhecia, embora tenha admitido que podia ter sido fotografado ao lado deles. "Não conheço esses cavalheiros", afirmou.

"Está a mentir", disse Parnas, quer a Rachel Maddow, quer já nesta quinta-feira no programa New Day, da CNN. "De cada vez que ele disse isso eu mostro uma foto", declarou. À MSNBC, explicou que não se considerava amigo de Trump. "Não víamos jogos de futebol juntos nem comíamos cahorros-quentes, mas sabia perfeitamente quem eu era. Interagi muito com ele em eventos, falei muitas vezes a sós em reuniões."

Parnas e Fruman, conta a Mother Jones, estarão ligados ao oligarca ucraniano Dmytro Firtash, que luta há anos para não ser extraditado de Viena para os Estados Unidos, onde pendem acusações de corrupção. Segundo a procuradora Rebekah Donaleski era Firtash quem estava a pagar as viagens dos dois homens, que foram detidos no aeroporto quando iam para Viena. Firtash teve também negócios com Paul Manafort, o homem que dirigiu a campanha de Trump e está a cumprir pena de prisão em casos de fraude e conspiração.

A "personagem estranha" que vigiou a embaixadora

Parnas passou a cooperar com a Justiça e o seu advogado Joseph Bondy foi a Washington entregar documentos à Câmara dos Representantes. Neles estão mensagens de telemóvel entre Parnas e um apoiante de Trump chamado Robert F. Hyde, que apontam para a vigilância em Kiev da então embaixadora na Ucrânia Marie Yovanovitch, antes de ter sido afastada na primavera passada. Hyde deu a Parnas informações pormenorizadas que sugeriam estar a vigiá-la, como "Ela falou com três pessoas. O telefone dela está desligado. O computador dela está desligado", escreveu.

Hyde, de 40 anos, está a concorrer a um lugar para a Câmara dos Representantes pelo Connecticut e aparece em várias fotografias junto de Donald Trump, bem como de outros membros da família.

Numa mensagem a Parnas, Hyde, que teve uma empresa de jardinagem e se apresenta em Washington como lobista e relações públicas, referiu-se à embaixadora Yovanovitch como uma "cabra".

Em certo momento, Hyde alude a que alguém está "disposto a ajudar" a troco de dinheiro. "Acho que se pode fazer qualquer coisa na Ucrânia com dinheiro... foi o que me disseram." Mensagens enigmáticas mas que sustentam as declarações da diplomata no Congresso, quando esta disse que a avisaram para sair de Kiev e voltar para os Estados Unidos.

Parnas desvalorizou o papel de Hyde, ao caracterizá-lo com uma "personagem estranha" que conheceu no bar de um hotel de Trump, e no qual era cliente habitual, "ora bêbedo ora a querer passar-se por mais do que era".

"Essas ameaças ocorreram ao mesmo tempo em que os dois homens também estavam a conversar sobre as iniciativas do presidente Trump, através de Rudy Giuliani, para manchar a reputação da embaixadora", comentou o representante democrata Eliot Engel. "Esta ameaça sem precedentes aos nossos diplomatas deve ser investigada minuciosamente e, se se justificar, julgada em toda a extensão da lei."

O Ministério do Interior da Ucrânia anunciou ter aberto uma investigação sobre a possibilidade de a embaixadora dos Estados Unidos ter ficado sob vigilância ilegal por desconhecidos antes de ter saído do posto em Maio.

Os documentos acrescentam mais material às acusações de que Trump pressionou a Ucrânia para anunciar uma investigação ao filho de Joe Biden, seu possível adversário político nas eleições de novembro, enquanto a prometida ajuda militar estava retida.

Trump pediu ao novo presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, numa chamada de 25 de julho para investigar pai e filhos Biden. Hunter fez parte do conselho de administração da empresa de combustível Burisma.

Entre os documentos está uma captura de ecrã do telemóvel que contém uma carta de Giuliani a Zelensky, antes da tomada de posse. Na carta, Giuliani solicita uma reunião com Zelensky, apresentando-se "como conselheiro pessoal do presidente Trump e com o seu conhecimento e consentimento".

"É obvio que era só sobre ele [Trump], ele era o nosso líder, o nosso chefe, o nosso presidente e era tudo sobre 2020, para assegurarmos mais quatro anos", disse à CNN, referindo-se à reeleição.

Estes documentos, que incluem registos telefónicos, mensagens e pen drives, vão ser transmitidos ao Senado juntamente com os artigos de impeachment.

Em vários dos documentos, comprova-se que Parnas comunicou com Giuliani sobre a saída de Yovanovitch das funções de embaixadora. A expulsão da embaixadora, ordenada por Trump, estava no centro do inquérito do impeachment dos democratas. Yovanovitch disse que foi vítima de uma "campanha de difamação" na audiência realizada pela Câmara.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG