Quer mergulhar até ao Titanic? Em breve vai poder

Em 2018 arrancam as "visitas guiadas" aos destroços do navio afundado no oceano Atlântico.

Quase 105 anos depois de o Titanic se der afundado no oceano Atlântico na sua viagem inaugural, os turistas vão poder mergulhar e explorar os destroços do navio. A partir de maio de 2018, a empresa londrina Blue Marble Private vai organizar expedições ao Titanic, a gigante embarcação de luxo que a 14 de Abril de 1912, pouco antes da meia-noite, embateu num icebergue no Atlântico Norte. Duas horas depois o navio estava já a repousar no fundo do oceano. O acidente causou cerca de 1500 mortos.

As visitas ao Titanic serão limitadas, explica a agência na sua página na Internet. Apenas 9 pessoas de cada vez poderão participar nesta aventura que, segundo a CNN, vai custar 105 129 dólares por pessoa (88 600 euros) - o que, segundo a Blue Marble Private, será mais ou menos o equivalente ao preço de bilhete para a viagem real no Titanic em primeira classe, de Southampton (Inglaterra) até Nova Iorque (EUA). A CNN afirma que a primeira expedição já está cheia.

Neste caso, a viagem começa em Newfoundland, na costa do Canadá. As expedições podem ter até 10 dias,. Entre o terceiro e sexto dia, três passageiros de cada vez poderão então entrar no submersível e visitar os destroços. Os exploradores mergulham até 4 mil metros de profundidade numa cápsula de titânio e fibra de carbono, acompanhados por especialistas. Serão três horas no fundo do mar a explorar o que resta do navio afundado em 1912. Para além do mergulho, a viagem inclui aulas de mergulho e outras atividades no mar.

Para além desta empresa, outra agência de Los Angeles, a Bluefish, também está a planear expedições ao Titanic a partir do próximo ano, mas ainda não revelou as datas nem os preços das mesmas.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.