Quase um terço dos eleitores absteve-se de votar

10,3 milhões de espanhóis não votaram este domingo nas eleições legislativas

A abstenção das eleições legislativas de Espanha foi de 30,16%, o que significa que cerca de 10,3 milhões de espanhóis decidiram não ir às urnas no domingo.

Para as eleições legislativas deste domingo foram chamados a votar 36,5 milhões de eleitores, dos quais 24.067.438 eleitores foram às urnas, uma afluência de 69,84%.

Segundo os últimos dados do Ministério do Interior, citados pela agência de notícias espanhola Efe, abstiveram-se 10.394.047 eleitores, ou 30,16%, um número ligeiramente inferior à abstenção de 30,33% registada nas eleições de dezembro de 2015.

O Partido Popular (PP), liderado pelo chefe do governo de gestão, Mariano Rajoy, foi o vencedor das eleições em Espanha, sem maioria absoluta, com 137 deputados eleitos, anunciou a comissão eleitoral.

O Partido Socialista (PSOE) ficou em segundo lugar, com 85 lugares no congresso espanhol, enquanto a aliança de esquerda Unidos Podemos elegeu 71 deputados e o partido de centro-direita Ciudadanos conseguiu 32 assentos.

Ainda não é possível prever qual será a coligação que irá permitir uma solução governativa, que não foi possível construir na sequência das últimas eleições, em 20 de dezembro último.

Segunda-feira inicia-se um período de negociações para tentar desbloquear esse impasse político, tendo todos os partidos garantido nos últimos dias da campanha eleitoral que não seria necessário repetir as eleições pela terceira vez.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.