Quando um país muda de nome: a Macedónia é agora Macedónia do Norte

A Grécia e a Macedónia chegaram a acordo para resolver a disputa sobre o nome da antiga república jugoslava, que é igual à região helénica

"Chegámos a acordo", anunciou o primeiro-ministro grego Alexis Tsipras. "Estou feliz porque temos um bom acordo que abrange todas as pré-condições estabelecidas pelo lado grego", disse ao presidente grego Prokopis Pavlopoulos. O chefe do executivo macedónio, Zoran Zaev, afirmou em conferência de imprensa que "não há forma de voltar atrás".

Quando a Macedónia se separou da Jugoslávia, em 1991, e adotou o nome de República da Macedónia, abriu uma guerra diplomática com o vizinho grego. Atenas nunca aceitou esse nome, de tal forma que o nome formal (e provisório) ficou Antiga República Jugoslava da Macedónia.

O desentendimento entre Atenas e Skopje frustrou as expectativas macedónias de aderir à União Europeia e à NATO, numa região onde as duas organizações disputam influência com a Rússia.

Tsipras disse que o acordo responde às preocupações da Grécia de que o novo nome para a Macedónia seja um nome composto com um qualificador geográfico.

Os governos de Atenas e Skopje queriam chegar a acordo antes da cimeira da UE no final de junho. No entanto, o acordo tem de ser ratificado em referendo na Macedónia e obter a aprovação dos parlamentos dos dois países.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.