Proprietário de armazém que explodiu em Tui foi detido e é ouvido sexta-feira

Impacto do rebentamento destruiu cerca de 20 casas e foi sentido a vários quilómetros de distância

O proprietário do armazém de material pirotécnico que explodiu na quarta-feira em Tui, Galiza, foi detido e vai ser presente ao juiz do tribunal local na sexta-feira, disse esta quinta-feira à agência Lusa fonte da Guardia Civil de Pontevedra.

A mesma fonte adiantou que o homem, detido na quarta-feira à tarde, encontra-se nas instalações da Guardia Civil de Pontevedra a aguardar a conclusão do processo judicial para ser presente a tribunal".

De acordo com a fonte, "os bombeiros e a proteção civil estão esta quinta-feira a realizar trabalhos de remoção dos escombros à procura de eventuais novas vítimas da explosão".

Aquela fonte revelou "que as autoridades desconheciam a existência daquele armazém ilegal", adiantando que "a fábrica, licenciada, do homem agora detido, está situada a cerca de dois quilómetros de distância".

A Guardia Civil adiantou que "é ainda desconhecida a identidade da vítima mortal, devido ao estado em que ficou o cadáver, mas tudo indica tratar-se de uma mulher".

Referiu ainda que "os 26 feridos resultantes da explosão foram encaminhados para o hospital de Vigo, sendo que a maioria teve alta hospitalar ainda durante o dia de quarta-feira", e disse "desconhecer a existência de desaparecidos".

O impacto do rebentamento destruiu cerca de 20 casas e provocou danos em mais de uma centena, tendo sido sentido a vários quilómetros de distância.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.