Princípio "Um País, Dois Sistemas" fundamental para garantir futuro de Macau

Comemora-se hoje o 18.º aniversário do estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) da República Popular da China.

O chefe do Governo de Macau, Chui Sai On, defendeu hoje que a confiança no princípio "Um País, Dois Sistemas" é fundamental para "assegurar a prosperidade e a estabilidade a longo prazo" do território.

"A experiência destes últimos dezoito anos desde o retorno de Macau à Pátria diz-nos claramente que, para assegurar a prosperidade e a estabilidade a longo prazo de Macau, é fundamental que estejamos firmemente confiantes no princípio 'Um País, Dois Sistemas'", disse o governante na cerimónia que assinalou o 18.º aniversário do estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) da República Popular da China, a 20 de dezembro de 1999.

Para Chui Sai On, essa experiência tem demonstrado também que é fundamental o Governo local continuar empenhado na "obtenção de consensos sociais e na congregação de esforços", de forma a zelar "pela defesa de 'Um País'", aproveitando "as vantagens do segundo sistema" para promover "a integração [de Macau] no desenvolvimento nacional".

O dirigente assinalou ainda o recente congresso do Partido Comunista da China (PCC), no qual o secretário-geral, Xi Jinping, determinou a inclusão de Macau, Hong Kong e do princípio "Um País, Dois Sistemas" no "sistema de governação nacional".

"Orientados pelo espírito do 19.º Congresso Nacional [do PCC], continuaremos a promover a implementação com sucesso do princípio 'Um País, Dois Sistemas' em Macau", assegurou.

O chefe do Executivo considerou também que "o progresso geral tem sido favorável e a economia e a sociedade têm mantido um desenvolvimento estável" neste segundo ano de aplicação do Plano Quinquenal de Desenvolvimento de Macau.

Nas palavras de Chui Sai On, "a economia registou uma recuperação gradual", com as finanças públicas a manterem-se estáveis e a taxa de desemprego a registar "um nível relativamente baixo".

"Continuamos a encarar com otimismo cauteloso a perspetiva do desenvolvimento económico de Macau", disse.

No âmbito do conceito "Um Centro, Uma Plataforma", assegurou que o Executivo vai "aprofundar a implementação das medidas de apoio à construção de Macau como plataforma entre a China e os países de língua portuguesa, concedidas pelo Governo Central", para permitir "uma articulação estreita e um desenvolvimento interativo entre a construção de 'Um Centro' e a diversificação da economia".

O Governo local "continuará a participar ativamente na construção de 'Uma Faixa, Uma Rota' [projeto de investimentos em infraestruturas lançado pelo presidente chinês, Xi Jinping, em 2013] e na construção da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau, integrando-se no processo de desenvolvimento do país".

Chui Sai On manifestou igualmente o empenho do Governo em expandir o mercado turístico do território para "elevar a imagem e o estatuto de Macau, enquanto Centro Mundial de Turismo e Lazer".

Durante a manhã decorreu, no âmbito das comemorações do 18.º aniversário da RAEM, a cerimónia do içar das bandeiras, na praça Flor de Lótus.

Exclusivos