Primeira clínica de Canábis medicinal abre em Manchester

The Beeches vai cobrar 230 euros por consulta e as receitas mensais, caso sejam aprovadas, custarão entre cerca de 700 e 810 euros.

A primeira clínica de canábis medicinal do Reino Unido vai abrir portas em Cheadle, Manchester, revelou o diário The Guardian. De acordo com este jornal, uma consulta neste centro terá o custo de 230 euros sendo que os utentes aos quais seja aprovada a terapia pagarão entre 694,8 e 801,7 euros pelas doses mensais.

A aprovação do uso de canábis não será automática, dependendo da avaliação dos benefícios da terapia para cada caso clínico concreto e a inexistência de alternativas viáveis entre as drogas legais.

A clínica The Beaches terá como diretor clínico Mike Barnes que, em 2018, esteve envolvido no processo que levou o governo britânico a aprovar a primeira prescrição médica de canábis - neste caso de óleo de canábis - para um rapaz chamado Alfie Dingley que sofre de epilepsia.

Em declarações ao The Guardian , Barnes defendeu que a abertura do centro é um sinal de esperança para todos os que não têm encontrado respostas eficazes noutras terapias: "pacientes com dores crónicas e outras situações graves do ponto de vista neurológico ou psiquiátrico têm suplicado por este género de tratamento, capaz de lhes mudar a vida", contou, acrescentando que este passo "coloca o Reino Unido em linha com outros países no que respeita ao controlo da dor".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.